Argentina oficializa cota para máquina de lavar

As máquinas de lavar roupa brasileiras não poderão mais entrar livremente no mercado argentino. O produto está sujeito, desde esta quinta-feira, à aplicação de licenças não automáticas para a importação por parte da Argentina. A medida - publicada no diário oficial do país - fere o espírito de livre comércio do Mercosul e aumenta a tensão comercial entre Buenos Aires e Brasília.As licenças não automáticas implicam numa seqüência complexa de travas burocráticas de controle do Estado que desestimulam as importações. As licenças podem levar 60 dias para ser emitidas. Além disso, os importadores sempre correm o risco de que seus pedidos de licenças não sejam aceitos. Os argentinos ofereciam uma cota de 50 mil máquinas de lavar roupa brasileiras para o segundo semestre deste ano. Os brasileiros a rejeitavam, apresentando uma proposta de 68 mil unidades para a segunda metade de 2004. Na segunda-feira, diante da recusa dos empresários brasileiros, a Secretaria de Indústria da Argentina anunciou que aplicaria as licenças não automáticas.A medida embora tenha sido tomada dentro do conflito comercial com o Brasil se aplica a todos os países. Serão afetados também Itália, Eslováquia e Tailândia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.