Argentina pode fazer nova troca da dívida interna

A Argentina pode fazer nova troca da dívida interna nos próximos meses, acredita fonte de um grande banco credor do país vizinho. Nesta operação, seriam trocados os empréstimos assumidos por bancos e fundos de pensão na troca da dívida interna feita em novembro do ano passado por títulos de longo prazo. Na prática, esta seria uma espécie de reversão do swap feito em novembro, em que cerca de US$ 40 bilhões em títulos da dívida interna foram convertidos em empréstimos. Agora, esses empréstimos voltariam a ser trocados por títulos. De acordo com a fonte, há contatos ainda muito preliminares nesse sentido, que devem tomar força somente após a conclusão do acordo do governo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) - para o qual as previsões não andam das mais otimistas. "Do ponto de vista do risco de crédito e da necessidade de provisões em balanço, é muito mais interessante para os credores deterem títulos do que empréstimos", revela a fonte. "O que o governo já avisou é que eles não têm dinheiro para honrar os compromissos", acrescenta. Os credores externos também estão atentos aos desdobramentos de uma eventual negociação para a dívida interna na Argentina. De acordo com os analistas, este seria um importante indicativo sobre o que poderia ocorrer com a renegociação da dívida externa, travada desde meados do ano passado e para a qual não há ainda, de acordo com os credores, qualquer sinalização por parte do governo.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.