Argentina pode reabrir troca de bônus realizada em 2005

Lançamento do swap marca passo importante na volta da Argentina ao mercado de capitl internacional

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

28 de dezembro de 2009 | 14h33

O governo da Argentina pode reabrir a troca de bônus do default realizada em 2005, assim que assegurar aprovação da Securities and Exchange Commission (SEC, a CVM norte-americana), relataram jornais locais.

 

O lançamento do swap de dívida marca um passo importante no retorno da Argentina aos mercados de capitais internacionais, dos quais foi efetivamente excluída desde o colapso econômico de 2001 e 2002. Também pode ser o início de um ano movimentado para o Ministério da Economia, que tem planos ambiciosos para lidar com a melhora no sentimento entre investidores em relação à Argentina, visando tomar empréstimos bem como realizar operações de gerenciamento de dívida.

 

Ligações nesta segunda-feira,28, para autoridades do ministério não foram retornadas.

 

A reabertura da dívida visa cerca de US$ 20 bilhões em bônus que foram retidos por investidores na transação de 2005. O governo deve registrar a proposta junto à SEC até o final da próxima semana, de acordo com o jornal El Cronista. Se a SEC aprovar, o swap começaria perto do fim de janeiro e poderia ser concluído um mês depois.

 

O período vai variar dependendo do tipo de investidor. O governo disse que quer apresentar uma oferta levemente melhor para os investidores de varejo, em detrimento dos investidores institucionais maiores. Segundo o Cronista, o governo também está preparado para dar a eles mais tempo para decidir.

 

Investidores institucionais representando cerca de metade da dívida em default existente já se comprometeram com a transação, que foi apresentada ao governo em nome deles pelo Barclays Capital. O Cronista disse que o acordo para investidores institucionais valerá cerca de 50 centavos sobre o dólar, enquanto que o acordo para os investidores de varejo valerá um pouco mais. As informações são da Dow Jones. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.