Argentina proíbe uso de bônus para pagamento de impostos

O ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, proibiu as empresas do país de usarem bônus da dívida soberana sobre os quais foi declarada moratória no pagamento de impostos. Lavagna anunciou a proibição depois de empresas como Telefónica, Citibank e Perez Companc terem usado cerca de US$ 8 bilhões em bônus argentinos para pagar impostos. Para o ministro, o uso desses papéis estava erodindo a arrecadação de impostos, que cresceu 29,3% em julho e apenas 16,4% em agosto (sempre em comparação com o mesmo período de 2001). "As empresas têm comprado esses bônus a preços extremamente baixos e vêm usando-os para pagar impostos. Elas têm sido capazes de embolsar a diferença do que seus impostos a pagar seriam de outra maneira", comentou o analista Rafael Ber, da Argentine Research. "O governo ficou assustado com a quantidade de bônus que entrou em seus cofres nos últimos meses. Em termos de dinheiro, isso coloca suas contas fora do fogareiro. Mas o que o governo fez hoje foi apenas uma extensão da moratória do ano passado: romper com os compromissos dos bônus", disse o analista Hernán Fardi, da Maxinver.com.

Agencia Estado,

04 de setembro de 2002 | 19h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.