Argentina promete negociar antes de impor barreiras

O ministro da Economia da Argentina, Roberto Lavagna, garantiu hoje ao ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, que as restrições à importação de eletroeletrônicos brasileiros, anunciadas na segunda-feira, só entrarão em vigor após a regulamentação da medida. Segundo nota da assessoria de Furlan, Lavagna se comprometeu a retardar o processo para que os representantes do setor privado dos dois países retomem as negociações.Com relação à adoção de uma alíquota de 21% para as importações argentinas de televisores brasileiros, fabricados na Zona Franca de Manaus, o Ministério do Desenvolvimento está analisando se a medida está de acordo com as regras da OMC. O Ministério considera que o comércio este ano entre os dois países ainda está abaixo do registrado em 2001, período anterior à crise econômica da Argentina. Os ministros Furlan e Lavagna continuarão os negociações nesta quarta-feira em Puerto Iguazú, na Argentina, durante a reunião da cúpula do Mercosul.Os dados do Ministério do Desenvolvimento mostram, no entanto, que as exportações de eletrodomésticos para a Argentina tiveram crescimento expressivo entre 2003 e 2004. A venda de televisores, por exemplo, saltou de US$ 2,030 milhões no período de janeiro a junho de 2003 para US$ 9,379 milhões em igual período de 2004, uma variação de 362%. A venda de refrigeradores e congeladores saiu de US$ 10,417 milhões para US$ 24,093 milhões. No caso das máquinas de lavar roupas, o crescimento foi de US$ 6,671 milhões para US$ 17,013 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.