Reuters
Reuters

Argentina promete quitar dívidas com exportadores brasileiros até julho

Ministro da Fazenda estima em US$ 5 bilhões valor devido por empresas importadoras argentinas; principais beneficiadas são companhias do Brasil

Rodrigo Cavalheiro, enviado especial, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2015 | 13h41

Atualizada às 19h25

O presidente do Banco Central argentino, Federico Sturzenegger, disse na manhã deste domingo, 20, em Assunção que empresas brasileiras devem receber até julho o valor referente a importações que companhias argentinas não pagavam por falta de acesso ao dólar. "Já temos um cronograma e a partir de julho estará tudo normalizado", disse Sturzenegger.

 

Ele participou de uma reunião de ministros da área econômica na 49.ª Cúpula do Mercosul, que termina nesta segunda-feira, 21. No mesmo encontro, esteve o titular da Fazenda argentino, Alfonso Prat-Gay. Ele reforçou que a dívida não é do Estado argentino, ainda que dependa dele para ser resolvida, estimou o montante em cerca de US$ 5 bilhões e esclareceu que os valores não pagos também envolvem outros países. Importadores argentinos estimam que 80% da dívida seja com brasileiros. 

 

Prat-Gay também detalhou a forma como os importadores que sofriam com a escassez de dólares poderão chegar à quitação. "Os importadores que não puderam resolver sua dívida com a matriz ou seu provedor terão duas opções. Fazer o pagamento conforme o cronograma do qual falou o presidente do BC ou com um bônus em dólares do Estado nacional que vamos emitir na semana que vem, destinado especificamente a esse setor de importadores. Podem escolher o cronograma do BC ou essa outra forma que permite que rapidamente consigam os dólares para sua matriz. Claro que para comprar esse bônus o importador traz os pesos e compra pelo câmbio correspondente." Importadores que contraíram dívidas com um dólar artificialmente mantido a 9,8 pesos até semana passada teriam de comprar os bônus a cerca de 13 pesos, o valor desde a liberação do câmbio. "O Tesouro fica com os pesos e o importador fica com um bônus, que serve para pagar sua dívida ou o que quiser fazer com ele", acrescentou.

 

Prat-Gay mencionou pela primeira vez a cifra de US$ 5 bilhões ao anunciar o fim do controle sobre o câmbio, na quinta-feira. Ontem, ressaltou que o valor poderia ser "um pouco menor", mas que ninguém o havia desmentido.

 

O crédito dos brasileiros foi acumulado no período em que o kirchnerismo controlou o acesso à divisa americana, processo iniciado em 2011 e encerrado na quinta-feira pelo governo de Mauricio Macri. A unificação brusca do câmbio levou a uma valorização do dólar de 41% e uma queda de 30% no poder de compra do peso.

 

A nova administração espera elevar no próximo mês em US$ 25 bilhões as reservas do BC, hoje em US$ 24,3 bilhões. Antes de desvalorizar sua moeda, o governo de Macri havia anunciado duas medidas de abertura. A primeira foi o fim de impostos sobre todas exportações agropecuárias, com exceção da soja, que teve sua taxa reduzida de 35% para 30%. A outra foi o fim da exigência de uma autorização para importações, alvo de reclamação constante de empresas brasileiras e argentinas. O chefe do BC previu que as três ações darão à Argentina um crescimento mais acelerado das suas exportações e o país normalizará o fluxo de capitais.

 

Sturzenegger criticou indiretamente o governo kirchnerista ao mencionar Bolívia e Paraguai como referências em política macroeconômica na América Latina. "Quando ouvimos que os bolivianos têm uma inflação de 2,5% e um crescimento de 5%... Nos dá um norte. O Paraguai com inflação de 4%", disse. O Brasil não esteve representado por Nelson Barbosa, que só assume o cargo de ministro da Economia nesta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.