Argentina quer normalizar relação com credores estrangeiros, diz ministro

Axel Kicillof afirmou, contudo, que o país não vai aceitar 'quaisquer condições' para acabar com o impasse em torno da dívida

, Reuters

17 de junho de 2014 | 19h29

O ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, afirmou nesta terça-feira que o governo quer normalizar as relações com credores estrangeiros, mas não vai aceitar "quaisquer condições" para acabar com um impasse em torno da dívida.

A Suprema Corte norte-americana se recusou na segunda-feira a ouvir o recurso do país sobre a tentativa de evitar o pagamento de 1,33 bilhão de dólares a credores de fundos de hedge.

Kicillof disse ainda que a decisão da justiça se aplicada como foi determinada, levará o país a um novo calote, porque abre a porta a processos iniciados por outros detentores de bônus no valor de 15 bilhões de dólares.

O ministro também afirmou que o país está dando os primeiros passos para pagar sua dívida reestruturada sob a lei argentina, após o revés na justiça dos EUA.

"Não podemos permitir que nos impeçam de honrar nossos compromissos com os credores, com os detentores de bônus que entraram na reestruturação. (...) É por isso que estamos iniciando os passos para iniciar uma troca de dívida para pagá-la na Argentina sob a lei argentina", disse Kicillof a jornalistas.

A decisão da Justiça dos EUA levou a agência de classificação de risco Standard & Poor's a rebaixar o rating da Argentina a "CCC-", ante "CCC+". A S&P citou maior risco de default na dívida em moeda estrangeira do país.

Tudo o que sabemos sobre:
argentinadividaaxel kicillof

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.