Argentina quer ser o Brasil, diz secretário

O secretário de Relações Econômicas Internacionais da Argentina, Martín Redrado, disse que a "Argentina aspira ser o Brasil de 2002, mas para isso o país necessita de apoio financeiro internacional". Em entrevista à rádio 10, por telefone, de Roma, ele comparou a situação argentina com a desvalorização do real, em 1999, e disse que "há uma mudança na política monetária e que a Argentina busca voltar a ser competitiva em nível regional e atrair investidores, como o Brasil atrai atualmente". Redrado lembrou que os primeiros 60 dias de desvalorização do real foram "bastante turbulentos para o Brasil, mas foi o apoio financeiro de organismos multilaterais de crédito que permitiu a estabilização do Brasil e um crescimento de 4% em 2000".Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.