Agustin Marcarian/REUTERS
Agustin Marcarian/REUTERS

Argentina suspende exportação de carne bovina para forçar queda no preço

Medida do governo do presidente peronista Alberto Fernández foi tomada numa tentativa de reduzir os preços do produto no país e conter a inflação

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 15h06

Correções: 25/05/2021 | 15h44

O governo do presidente Alberto Fernández, da Argentina, decidiu suspender por 30 dias toda a exportação de carne bovina do país, numa tentativa de reduzir os preços elevados do produto no país e conter a inflação

A medida emergencial foi revelada pelo governo na segunda-feira e recebida com indignação por produtores de carne no país. Associações rurais articulam uma suspensão temporária das vendas de gado para corte em protesto contra a iniciativa do governo. A interrupção está prevista para durar inicialmente nove dias, começando na quinta-feira, dia 20.

“O caminho e as decisões que o poder Executivo está tomando são profundamente erradas, disse Jorge Chemes, presidente da da Confederação Rural Argentina (CRA), em comunicado, segundo a agência Reuters

A suspensão das exportações também deve prejudicar frigoríficos brasileiros que atuam na Argentina. A Marfrig informou nesta terça-feira, em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que suas operações na Argentina representaram 3,2% da receita líquida consolidada no primeiro trimestre do ano.

No mercado argentino, a Marfrig detém as marcas Paty e Vienissima, que lideram o segmento de hamburgueres e salsichas. "Assim sendo, o impacto direto desta restrição se limita a 1,3% da receita líquida consolidada, representada pelas exportações argentinas no período", informa a empresa.

Exportações

A Argentina é o quinto maior exportador de carne bovina do mundo e suas vendas aumentaram no último ano, puxada pela maior demanda da China. Em março, as exportações para o país asiático subiram 8,3% em relação ao mesmo mês do ano passado. 

Em 2020, a Argentina exportou 897 mil toneladas de carne, com valor equivalente a US$ 2,7 bilhões, de acordo com os dados oficiais. Mais da metade do volume exportado teve como destino a China. 

A maior demanda internacional, combinada a uma desvalorização do peso, fizeram os preços da carne bovina subir no país. O presidente Alberto Fernández vinha criticando nas últimas semanas o aumento dos preços, apontando os altos lucros dos exportadores. 

O governador da província de Santa Fe, Omar Perotti, criticou a suspensão das exportações e disse que a medida pode prejudicar o setor. A província é uma importante produtora de carne bovina no país. “A solução é aumentar a produção, não suspender as exportações”, escreveu Perotti em uma mensagem no Twitter. / COM INFORMAÇÕES DA BROADCAST E AGÊNCIA REUTERS 

Correções
25/05/2021 | 15h44

A Argentina exportou 897 mil toneladas de carne em 2020 e não 897 toneladas, como publicado anteriormente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.