Argentina suspende importação de carne brasileira

A Argentina suspendeu a importação de carne de animais suscetíveis à febre aftosa por causa da descoberta de um foco da doença no Pará, na semana passada. Segundo o Serviço Nacional e Qualidade Agroalimentária (Senasa), a duração da suspensão dependerá das medidas sanitárias e das investigações epidemiológicas a serem conduzidas pelo Brasil.A Argentina é o segundo país a suspender as compras de carne brasileira desde a descoberta do novo foco, o primeiro a surgir no Brasil em 34 meses. Na semana passada, a Rússia já havia interrompido as suas compras de carne brasileira. Autoridades brasileiras já estariam negociando a suspensão do embargo com representantes russos.A Argentina importa uma quantidade pequena de carne bovina brasileira, 23 toneladas, segundo a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec). A Rússia, por exemplo, importa 29 milhões de toneladas.Zona livreA avaliação inicial de técnicos no assunto indicava que o novo foco não prejudicaria as exportações brasileiras porque a área afetada, o município de Monte Alegre, já está fora da zona livre de febre aftosa. A carne do município já não era destinada à exportação justamente por se tratar de uma área de risco.A zona livre faz parte da política das autoridades brasileiras para delimitar áreas seguras para a exportação de carne. Altamente contagiosa, a febre aftosa ataca todos os animais "de casco fendido", inclusive bovinos, suínos e ovinos.O objetivo do Ministério da Agricultura era erradicar a doença no país até o ano que vem. A meta firmada em toda a América do Sul é de erradicar a febre aftosa até 2009, mas o Brasil resolveu adotar metas mais rígidas. Para a consultoria Global Briefing, no entanto, para atingir essa meta, o governo terá de ampliar a campanha de vacinação em Estados mais isolados, menos importantes para a exportação.Além disso, a descoberta do novo foco adia em pelo menos um ano o pedido de reconhecimento da Organização Internacional de Saúde Animal (OIE) de "país livre de febre aftosa com vacinação". O plano inicial era obter o certificado em maio de 2005. De acordo com o Ministério da Agricultura, 88% do rebanho do país, cerca de 182 milhões de cabeças de gado, estão nas zonas identificadas como livre de febre aftosa com o uso de vacinação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.