Argentina suspende projeto da Vale

Governo diz que mineradora desrespeitou acordos de contratar fornecedores locais

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2011 | 00h00

O governo da província de Mendoza anunciou ontem a suspensão do projeto Potássio Rio Colorado, empreendimento da Vale que é considerado o maior investimento do setor privado na História da Argentina, de US$ 4,6 bilhões.

O anúncio da suspensão foi feito pelo secretário de Ambiente da província de Mendoza, Paulo Gudiño. Ele afirmou que "a decisão do governo é a de paralisar as obras na jazida", localizada em Malargüe, no sul da província.

De acordo com o secretário, a suspensão se deve à falta de cumprimento do "Compre Mendocino" por parte da Vale.

O "Compre Mendocino" é um programa provincial, assinado pelas empresas que investem em Mendoza, que implica na prioridade dos fornecedores locais e da contratação de pelo menos 75% de mão de obra da província.

No entanto, ontem à noite a empresa brasileira emitiu um comunicado no qual indica que, "perante a resolução do governo da província de Mendoza de suspender as obras do projeto Potássio Rio Colorado em Malargüe, a Vale faz pública sua permanente vontade de colaborar com as autoridades locais em prol do crescimento e desenvolvimento econômico e social da província no marco das normas vigentes".

Compromisso. A Vale nega as acusações de falta de cumprimento do acordo e afirma que se compromete a apresentar "todas as informações requeridas e necessárias para comprovar o cumprimento do compromisso" assinado com o governo de Mendoza, relativo ao "Compre Mendocino" e à contratação de mão de obra local.

Desde o início do ano o projeto da Vale foi alvo de uma saraivada de pressões por parte dos governos das províncias argentinas de Mendoza e Neuquén, além de empresários locais, que operariam como fornecedores. De quebra, os sindicatos de trabalhadores da área de construção civil e mineração também pressionaram a empresa com um amplo leque de exigências.

Em abril o governo de Mendoza acusou a Vale de não cumprir as normas que obrigam a empresa a contratar pelo menos 75% de trabalhadores mendocinos.

Na época Walter Vázquez, subsecretário de hidrocarbonetos da província, afirmou que a empresa teria contratado uma proporção menor de operários locais, ao redor de 60%. Além disso, o governo de Mendoza ameaçou que poderia cassar a concessão que a empresa recebeu para a exploração da mina de potássio.

Além dos problemas que enfrenta na província, a Vale também se tornou o alvo de reclamações da vizinha Neuquén (ao sul de Mendoza), onde o governador local, Jorge Sapag pretendia que a empresa contrate trabalhadores neuquinos.

Sapag argumenta que várias empresas brasileiras que fazem trabalhos para a Vale nesta empreitada instalaram-se na cidade neuquina de Rincón de los Sauces. "O projeto de Rio Colorado não é mendocino, mas sim, regional", alega Sapag.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.