Argentina teve 5º ano consecutivo de superávit fiscal

O Ministro da Economia, Martín Lousteau, anunciou que a Argentina conseguiu em 2007 o quinto ano consecutivo de superávit fiscal (termo usado para determinar o quanto o governo arrecada a mais do que gasta), uma marca nunca inédita na história do país. Segundo Lousteau, o superávit foi de US$ 8,15 bilhões, o equivalente a 3,2% do Produto Interno Bruto (PIB). Desta forma, supera levemente a meta marcada no Orçamento Nacional no início de 2007, que estimava um superávit de 3,14% do PIB.Mas, economistas independentes destacaram que do total de US$ 8,15 bilhões, cerca de US$ 2,3 bilhões foram obtidos graças à transferência de parte dos Fundos de Pensões para o sistema estatal. Isso foi possível graças à uma lei do governo do presidente Néstor Kirchner que no ano passado liberalizou o sistema e permitiu que um volume considerável de pessoas pudessem transferir-se para a previdência do Estado argentino. O sistema anterior, dos tempos do ex-presidente Carlos Menem (1989-99), impedia passagens do sistema privado para o estatal.Os economistas também destacam que os substanciais gastos públicos realizados em pleno ano eleitoral em 2007 não foram contabilizados como gastos correntes, mas sim, "extraordinários".Os analistas consideram que se estes fatores (gastos públicos e transferência de parte do sistema de aposentadorias para os cofres do Estado) fossem levados em conta, o superávit fiscal de 2007 seria de apenas 2% do PIB.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.