Argentina usará imposto da soja em plano de obras

O governo argentino anunciou nasegunda-feira que destinará parte da arrecadação do polêmicoimposto sobre a exportação de soja para financiar obras deinfra-estrutura. O governo pretende reservar para as obras todo o montanteque superar a alíquota de 35 por cento nesse impostoprogressivo, que gerou protestos e uma paralisação dosprodutores rurais. Em discurso na Casa Rosada, a presidente Cristina Kirchnercriticou os ruralistas por, segundo ela, dificultarem adistribuição de renda num momento de preço recorde dos grãos. Com tom calmo, sob aplausos, ela disse que a classe rural"se nega a contribuir na redistribuição do faturamento para osque têm menos". O conflito dos produtores com o governo já dura90 dias. O decreto que estabelece o fundo diz que este "terá porfinalidade o financiamento da construção, ampliação,remodelação e equipamento de hospitais públicos e centros deatendimento primário da saúde [...], a construção de moradiaspopulares em âmbitos urbanos ou rurais, e a construção,reparação, melhora e manutenção de estradas rurais". Cristina disse que o plano prevê a construção de pelo menos30 hospitais e 300 postos de saúde. "Os mais vulneráveis são os que menos têm, os mais pobres,porque são os que destinam a maior parte dos seus salários àcomida e porque são os que não têm estratégicas defensivasdiante do aumento dos preços", afirmou a presidente. "Essa soberania alimentar, sem afetar a rentabilidade dossetores produtivos, é algo em que estamos trabalhando e queestamos fazendo todos os dias." (Reportagem de Karina Grazina/Jorge Otaola)

REUTERS

09 de junho de 2008 | 20h14

Tudo o que sabemos sobre:
ARGENTINASOJA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.