Argentina vai investigar exportações durante locaute

O governo argentino decidiu investigar as exportações agrícolas feitas durante o locaute dos produtores rurais. Desde 12 março até a última sexta-feira, o país viveu intermitentes bloqueios de rodovias que impediram o tráfego de cargas e locautes dos produtores dos grãos destinados à exportação. O governo divulgou hoje os números do comércio exterior do setor no período, que mostram aumento das exportações em relação ao mesmo período do ano passado."Os números estão demonstrando que, apesar dos 100 dias de locaute, com todas as dificuldades que geraram internamente ao país, as exportações aumentaram", disse o secretário de Agricultura, Jávier De Urquiza, em entrevista à rádio "América". Segundo o secretário, "os produtores terão que explicar como isso ocorreu" e todo o processo de exportações ficará "sob investigação". O presidente das Confederações Rurais, Mario Llambias, explicou que durante o mês de trégua, depois dos 21 dias de locaute total, feito no final de março e primeiros dias de abril, "os exportadores aproveitaram para encher os silos e compraram tudo que estava disponível". Com o fracasso das negociações ao final da trégua, os produtores decidiram não colocar em risco o apoio popular conquistado e optaram por um locaute só de grãos para exportação, sem afetar o abastecimento interno, disse. Porém, mesmo com a não-comercialização de produtos neste período, os exportadores já contavam com a mercadoria para exportar. Agora, se inicia uma nova onda de ataque do governo ao campo, enquanto os impostos sobre exportações (retenções) são discutidos pelo Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.