Maria Martinez/Ministério da Fazenda da Argentina
Maria Martinez/Ministério da Fazenda da Argentina

Argentina vê crescimento menor este ano

Governo Macri admite que ação para contar alta do dólar terá impacto no PIB; para ministros, ida ao FMI consolida confiança do mercado

Luciana Dyniewicz, enviada especial, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 04h00

BUENOS AIRES- “Fomos ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para diversificar (as fontes de financiamento)”, afirmou na tarde desta segunda-feira o chefe de gabinete de Mauricio Macri, Marcos Peña, número dois do governo argentino. Ao lado dos ministros da Fazenda, Nicolás Dujovne, e das Finanças, Luis Caputo, Peña minimizou a crise cambial na qual a Argentina mergulhou há duas semanas, que levou o governo a pedir um empréstimo ao Fundo, e disse que a medida havia sido tomado para consolidar a confiança do mercado. 

+ Argentina sofrerá pressão como resultado das taxas de juros elevadas, diz Moodys

Dujovne, entretanto, admitiu que as medidas implementadas para contornar a fuga de capitais – entre elas, a elevação da taxa básica de juros para 40% – farão com que o país cresça menos neste ano e que a inflação permaneça alta. “Sabemos que esse episódio de volatilidade e aumento dos juros vai ter algum impacto no crescimento, mas estamos convencidos de que o país crescerá neste ano”, disse.

O ministro da Fazenda acrescentou que ainda é cedo para quantificar esses impactos. As projeções oficiais iniciais eram de 3% de alta no PIB e de 15% de inflação. Economistas já falam em menos de 2% e em 25%, respectivamente. 

+ Agronegócio argentino ‘lucra’ com o dólar forte

Em entrevista convocada para tentar acalmar o mercado internacional, Luis Caputo acrescentou que o pedido ao FMI foi feito apenas para aumentar a liquidez no País e garantir que não faltem recursos no futuro. “Estamos fazendo isso preventivamente. Hoje, temos acesso a financiamentos com taxas similares às que seriam cobradas pelo Fundo. Estamos fazendo (recorrendo ao FMI) porque não sabemos o que pode acontecer nos mercados (no futuro).”

+ Escalada da inflação preocupa comerciantes

Peña, porém, afirmou que houve uma mudança no cenário “externo e interno” que elevou as exigências dos investidores para continuarem financiando o país. “A ida ao Fundo pode ajudar nessa negociação (com o mercado) e permite deixar claro que estamos comprometidos com o equilíbrio fiscal.” 

+ EUA apoiam negociação para socorro do FMI à Argentina

Apesar de afirmar que haverá uma aceleração da “convergência do equilíbrio fiscal”, Peña disse que cortes dependem da aprovação do Orçamento de 2019 no Congresso. “Dentro dessa restrição, temos de construir um consenso. É preciso também desmistificar a ideia de que há um ajuste. Só podemos gastar o que temos de receitas.”

+ As dificuldades da Argentina vão se propagar?

Autonomia. Os ministros afirmaram que não há interferência da Casa Rosada no Banco Central e que não houve erros na condução da política econômico do país – com exceção de uma meta de inflação muito ambiciosa no início do governo. Peña acrescentou que a situação atual da economia é “bem melhor” do que a de 2015. “De modo algum achamos que (a política adotada) não funcionou. Há dois anos e meio (quando Macri chegou à presidência), não se dizia que íamos estar onde estamos, crescendo há sete trimestres, com alta no investimento e queda no desemprego, nos falavam que ia demorar mais.”

+ Risco de crise argentina contagiar Brasil é 'extremamente baixo', diz Bradesco

Dujovne disse que não haverá mudança no programa econômico de Macri, que, desde o início, adotou uma linha moderada, sem ajustes fiscais drásticos. “Temos um programa muito definido: integração com a economia global, redução do déficit fiscal, luta contra a inflação pelo Banco Central. Isso não vai mudar. O que vamos fazer é acelerar o programa de convergência fiscal. Mas sempre atuando com pragmatismo e de forma que não se interrompa o processo de crescimento econômico.”

Questionados pelo Estado sobre como deverá vir esse crescimento e sobre a possibilidade de a taxa de juros travar a economia, Dujovne afirmou apenas que os investimentos seguirão ocorrendo. “Os investimento de longo prazo não param por causa de uma volatilidade cambial”, respondeu. 

+ ‘Se a Argentina não tem dinheiro, não deve gastar', diz economista

O ministro da Fazenda afirmou ainda que o consumo e as exportações deverão impulsionar o PIB. “Nossas exportações industriais estão crescendo forte porque retiramos as barreiras comerciais e também pelo bom desempenho da economia brasileira.”

Apesar dos esforços do governo, a moeda local continua perdendo valor – nesta segunda, o dólar fechou cotado a 25,00 pesos, em um novo recorde histórico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.