Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Argentina vende US$ 1,5 milhão em títulos da dívida

O governo argentino arrecadou ontem mais de US$ 1,5 milhão com a emissão de títulos da dívida do país, oferecidos em dólar no mercado pela primeira vez desde a crise financeira de 2001. No total, o governo colocou US$ 500 milhões no mercado, mas o resultado inicial é considerado positivo já que não só é a primeira emissão em moeda americana, como se trata de uma oferta regida pela legislação argentina, o que é considerado mais arriscado pelos investidores.A colocação da dívida em moeda estrangeira também permite ao governo sustentar a cotação do peso baixa em relação ao dólar, o que beneficia as exportações e, por extensão, o Estado. Os analistas concordam que a razão pela qual a Argentina está voltando a emitir títulos da sua dívida em dólares, e sob a legislação argentina, é porque a sua imagem aos olhos da comunidade financeira internacional melhorou nos últimos meses. Isso de deve, segundo o economista da Universidade de Palermo Daniel Seva, quase exclusivamente ao fato de o governo ter conseguido uma alta taxa de adesão ao esquema de trocar títulos cujo pagamento tinha sido suspenso por novos títulos da dívida argentina. "Houve uma mudança de ânimo dos investidores desde a saída (da Argentina) do default ", diz Seva, acrescentando que também houve uma melhora nos indicadores econômicos do país.Condições argentinasDe fato, o risco país da Argentina (que reflete o nível de "perigo" que um país representa para investidores estrangeiros) está em cerca de 400 pontos, similar ao do Brasil. Nos piores momentos da crise esse indicador chegou a 4 mil pontos. O governo argentino se empenha agora na negociação de um novo acordo con o Fundo Monetário Internacional (FMI). Espera-se que uma missão do Ministério da Economia do país viaje a Washington nesta semana para discussões com o Fundo. A Argentina precisa de um acordo para refinanciar uma dívida que tem com o próprio Fundo, de mais de US$ 10 bilhões.

Agencia Estado,

19 de julho de 2005 | 15h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.