Argentinos começam bloqueio na fronteira com o Uruguai

As assembléias ambientais daprovíncia argentina de Entre Ríos iniciaram neste sábado um bloqueiosimultâneo de nove dias nas três passagens para o Uruguai, emrejeição à instalação de uma fábrica de celulose finlandesa no paísvizinho. O novo bloqueio total deve durar até a noite de 8 de abril, paracoincidir com os festejos de Semana Santa, quando milhares deturistas argentinos viajam ao Uruguai. Assim, os ambientalistas prolongam os bloqueios que ocorrem todosos finais de semana nas passagens localizadas nas cidades argentinasde Concórdia, Colón e Gualeguaychú, que se ligam respectivamente àsuruguaias Salto, Paysandu e Fray Bentos, onde a empresa finlandesaBotnia está construindo a fábrica de celulose. Segundo os ambientalistas, a indústria traz riscos ao meioambiente. Os participantes da assembléia de Gualeguaychú mantêm o bloqueio"por tempo indeterminado" desde 20 de novembro, enquanto osmoradores de Colón e Concórdia estão obstruindo temporariamente ainstalação da fábrica, localizada à beira do rio Uruguai, fronteiranatural entre os dois países. Os moradores de Colón demoraram neste sábado para dar início ao bloqueiosimultâneo, previsto para às 16h (horário de Brasília), por causa dagrande fila de veículos que tentava atravessar a fronteira emdireção ao Uruguai. A instalação da fábrica de celulose originou uma crise entre osdois países, a ponto de a Argentina ter recorrido à CorteInternacional de Justiça de Haia sobre a decisão do Uruguai deautorizar unilateralmente a instalação da fábrica, afetando umrecurso fluvial que é de administração compartilhada. O Uruguai recorreu à mesma instância devido aos bloqueios daspassagens fronteiriças. A primeira reunião entre representantes dosdois Governos para tentar resolver o conflito está marcada para 18de abril, em Madri. "Nas reuniões (em Madri), teremos a oportunidadede ver sepodemos começar um diálogo", afirmou o chefe de Gabinete argentino,Alberto Fernández, à "Radio Nacional".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.