Argentinos formam filas para comprar dólares

As filas em frente às casas de câmbio e bancos são enormes e começaram a ser formadas durante a madrugada. As maiores filas são em frente aos bancos estatais como o Banco de la Nación, o Província e Ciudad de Buenos Aires. Estes bancos venderam dólares a 2,40 pesos na sexta-feira passada, dia em que o câmbio marcou o recorde de 3,10 pesos - cotação que se repetiu na abertura de hoje. A fila do Nación dá volta no quarteirão. O porta-voz da Presidência, Eduardo Amadeo, afirmou que a pressão na cotação do dólar registrada na semana passada foi provocada pela "expectativa de um acordo com o FMI".Ele minimizou também a possibilidade da volta da hiperinflação por causa da disparada do dólar. "Existem muito poucas probalidades de uma hiperinflação no país", afirmou em entrevista hoje de manhã. Apesar da medida do Banco Central de restringir ao horário de funcionamento das casas de câmbio, para o período entre 11h30 e 15 horas, muitas delas já estão com suas portas abertas desde às 10 horas, alegando que ainda não receberam o comunicado do BC. O horário anterior das casas de câmbio era de 10 horas às 17 horas.Leia o especial

Agencia Estado,

25 de março de 2002 | 11h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.