Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

''Argentinos têm razão em reclamar'', diz Jorge

Para ministro, superávit na balança comercial entre os dois países é ?bastante grande? a favor do Brasil, e é necessário buscar o equilíbrio

Eduardo Kattah, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2008 | 00h00

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, disse ontem que os industriais argentinos têm razão em reclamar mais equilíbrio na balança comercial entre os dois países, bastante superavitária para o Brasil. Miguel Jorge também destacou que o objetivo do esforço brasileiro na relação com a nação vizinha é manter em nível elevado o fluxo comercial entre os dois países. "Os argentinos têm razão. Nós temos hoje um superávit favorável ao Brasil de US$ 4 bilhões. Você não tem uma parceria com outro país tendo um superávit desse tamanho. É bastante grande esse superávit. Nós devemos buscar nas relações comerciais o máximo possível de equilíbrio na balança", afirmou o ministro, que se reuniu com o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), no Palácio da Liberdade. Miguel Jorge destacou que a Argentina é atualmente um dos principais parceiros comerciais do Brasil. "O importante, além de a gente tentar resolver esse superávit, é mantermos o fluxo comercial entre os dois países. Este ano, por exemplo, nós chegaremos ao fluxo entre os dois países de US$ 30 bilhões." Embora tenha observado que após o "fracasso" das negociações da Rodada Doha na Organização Mundial do Comércio (OMC) - quando Brasil e Argentina adotaram posições divergentes quanto à oferta de abertura de mercado industrial - o governo deve "repensar" suas estratégias de negociações comerciais, Miguel Jorge ressaltou que o Mercosul vai "se manter íntegro". "Talvez essa rodada facilite as negociações que nós temos com outros blocos ou com outros países - bilaterais. Nós temos de procurar agora uma alternativa a Doha", disse o ministro. REFORMAO ministro recebeu do governador mineiro a Grande Medalha da Inconfidência 2008. Aécio aproveitou para cobrar um esforço do governo com o objetivo de aprovar reforma tributária ainda na gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva."O período eleitoral não é o adequado para uma discussão dessa profundidade, mas eu sou otimista. Eu acho que nós teremos um momento pós-eleição, portanto, no início do ano que vem, no primeiro semestre do ano que vem, em que, eu acredito, o governo deveria centrar suas forças nesse trabalho, nessa discussão", afirmou Miguel Jorge. "Se o governo tiver disposição política efetiva de construir caminhos e alternativas onde existem hoje ainda impasses, eu acho que é uma proposta viável para ser discutida e aprovada até o meio do ano, até o recesso de julho do ano que vem".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.