Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Arida: câmbio flutuante tende a corrigir contas externas

O ex-presidente do Banco Central (BC) Pérsio Arida afirmou que vê grandes méritos do câmbio flutuante, porque quando surgem desequilíbrios importantes nas contas externas, o sistema se desloca e tende a corrigir a distorção macroeconômica no médio prazo. "É o que vai acontecer com o Brasil. A situação da balança comercial preocupa e colabora para gerar um déficit de transações correntes de 3% do PIB (Produto Interno Bruto), o que para acende uma luz amarela", ponderou.

RICARDO LEOPOLDO, Agencia Estado

06 de setembro de 2013 | 18h44

"Porém, com a mudança do câmbio, a balança comercial vai reverter e seremos uma plataforma exportadora", destacou Arida. "O câmbio flutuante corrige o saldo comercial, como os juros levam a inflação para baixo. Não tem erro", declarou.

Arida não estimou para onde vai a cotação do real ante o dólar no fim deste ano. A moeda dos EUA encerrou nesta sexta-feira, 6, negociada a R$ 2,307 no mercado á vista, com recuo sucessivo nos cinco pregões deste mês, depois de testar o patamar de R$ 2,45 há cerca de um mês.

O economista fez os comentários nesta tarde em apresentação para evento da Apimec em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
Pérsio Aridacâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.