Arrecadação de impostos tem melhor primeiro semestre desde 2015

Entre janeiro e junho, R$ 648,6 bi foram arrecadados pela Receita; renúncia fiscal foi de R$ 42 bi no período

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2017 | 10h55

BRASÍLIA - A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 104,100 bilhões em junho, um aumento real (já descontada a inflação) de 3% na comparação com o mesmo mês de 2016. Em relação a maio deste ano, houve aumento de 6,8%.

O valor arrecadado foi o melhor desempenho para meses de junho desde 2015. O resultado veio dentro do intervalo de expectativas de 18 casas ouvidas pelo Broadcast, que ia de R$ 98,400 bilhões a R$ 118,792 bilhões, com mediana de R$ 102,250 bilhões.

Entre janeiro e junho deste ano, a arrecadação federal somou R$ 648,584 bilhões, o melhor desempenho para o período desde 2015. O montante representa alta real de 0,77% na comparação com igual período do ano passado.

Em junho, houve queda nas receitas administradas por outros órgãos que não o fisco, principalmente royalties, que somaram R$ 1,778 (-6,09%). No ano, porém, essas receitas cresceram 53,34%. A arrecadação das receitas administradas, que excluem os royalties, caiu 0,20%. 

Renúncia fiscal. As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 42,212 bilhões entre janeiro e junho deste ano, valor menor do que em igual período do ano passado, quando ficou em R$ 45,498 bilhões. Apenas no mês de junho, as desonerações totalizaram R$ 7,035 bilhões, também abaixo do que em junho do ano passado (R$ 7,604 bilhões).

+ Receita com 2ª etapa de repatriação decepciona

Só a desoneração da folha de pagamentos custou aos cofres federais R$ 1,207 bilhão em junho e R$ 7,242 bilhões no acumulado do ano. Em março, o governo anunciou o fim da desoneração da folha para cerca de 50 setores a partir de julho. O relatório aprovado na Comissão Mista da Medida Provisória 774 adia a medida para janeiro de 2018, mas ainda não foi aprovada pelo Congresso. 

Mais conteúdo sobre:
inflação Imposto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.