Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Arrecadação sobe 1,69% em 2019, para R$ 1,5 trilhão, melhor resultado em cinco anos

Crescimento das receitas com royalties do petróleo e do crédito bancário para empresas e pessoas físicas contribuíram para esse avanço

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2020 | 11h03

BRASÍLIA - A arrecadação de impostos e contribuições federais somou R$ 1,537 trilhão em 2019, um aumento real (já descontada a inflação) de 1,69% na comparação com 2018. O valor arrecadado no ano passado foi o maior valor desde 2014.

Segundo a Receita Federal, contribuiu para o aumento da arrecadação neste ano o crescimento da economia brasileira, que, segundo a previsão de analistas do mercado financeiro, deve ficar em cerca de 1,2% no ano passado (resultado ainda será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Além disso, houve crescimento das receitas com royalties do petróleo, com alta real 1,28% no ano passado, contra 2018, para R$ 61 bilhões. No ano anterior, haviam somado R$ 58,2 bilhões.

Outro fator foi a alta do crédito bancário para empresas e pessoas físicas, que gerou aumento real de 8,44% no Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), para R$ 40,890 bilhões.

Também houve arrecadação atípica de R$ 13 bilhões em IRPJ e CSLL em 2019 influenciada pelas "alterações nas regras de compensações tributárias, a exemplo das estimativas mensais dos tributos".

Parte do crescimento da arrecadação no acumulado deste ano ainda está relacionada ao resultado de 2018, pois as empresas recolheram esses valores no primeiro trimestre de 2019.

O comportamento da arrecadação é importante porque é uma referência para a busca da meta fiscal, ou seja, o resultado para as contas públicas. Para 2019, a meta do governo é de um déficit (resultado negativo, sem contar as despesas com juros) de até R$ 139 bilhões.

Resultado ruim em dezembro

No último mês do ano, a arrecadação federal somou R$ 147,5 bilhões, o pior desempenho para o mês desde 2016. O montante ficou praticamente estável na comparação com dezembro de 2018.

Tudo o que sabemos sobre:
Receita Federalimposto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.