Arrumem sua própria casa primeiro, diz China a críticos

A China quer que o resto do mundo respeite o ritmo gradual de sua reforma econômica, uma autoridade do banco central de Pequim disse no sábado, aconselhando críticos a "arrumar suas próprias casas primeiro". Wu Xiaoling, vice-governadora do Banco do Povo da China, evitou citar nomes, mas seus comentários vêm poucas semanas após visita de autoridades econômicas do governo norte-americano a Pequim para pressionar a China a agir com rapidez na liberação de sua moeda, o yuan. "Um ditado chinês diz que você deveria se colocar nos sapatos dos outros. Você precisa respeitar os outros", ela disse no Fórum Econômico Mundial em Davos. "Nós respeitamos as políticas dos outros. Os chineses dizem: arrume a sua própria casa primeiro." "Nós devemos ser muito cautelosos na maneira como procedemos. Eu comparo isso a caminhar no gelo", ela adicionou. O secretário do Tesouro norte-americano, Henry Paulson, após se encontrar com o presidente Hu Jintao e com o primeiro-ministro Wen Jiabao no mês passado, disse que a relutância da China em permitir a valorização de sua moeda permanecia um assunto bilateral fundamental. Os legisladores norte-americanos dizem que o yuan está injustamente desvalorizado, minando a competitividade de empresas norte-americanas e contribuindo para o alto déficit comercial dos Estados Unidos. Wu disse: "Nós temos mais trabalho a fazer especialmente no desenvolvimento do sistema financeiro... O renminbi (yuan) vai cada vez mais refletir as forças do mercado, mas nós não vamos ter uma mudança dramática no curto prazo." Pequim promoveu a valorização do yuan em julho de 2005 e desde então tem deixado a moeda subir gradualmente. Na quinta-feira, o yuan, que também é chamado de renminbi, estabilizou-se na média mais alta desde a valorização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.