Arthur Andersen não discordou da contabilidade, diz WorldCom

A WorldCom Inc. informou que meses antes da descoberta de possível fraude de US$ 3,8 bilhões em seus balanços, a então auditora Arthur Andersen LLP assegurou que as práticas de contabilidade da companhia pareciam ser limpas. Em um comunicado revisado enviado à SEC (comissão de valores mobiliários dos EUA) para fornecer mais detalhes sobre a descoberta dos problemas financeiros, a WorldCom disse que, numa reunião em fevereiro com o comitê auditor, a Andersen disse que os processos para o alinhamento de custos e a capitalização de ativos eram "eficazes", e que a Andersen não tinha discordância com as práticas de contabilidade da WorldCom. A Andersen também disse que não tinha encontrado nenhuma transação significativa ou incomum e que tinha avaliado as práticas contábeis da WorldCom para determinar se a companhia tinha métodos de controle adequados para prevenir erros nos relatórios financeiros, disse a WorldCom. A Andersen já havia dito antes que Scott Sullivan, ex-principal executivo financeiro da WorldCom, escondeu informações da empresa de contabilidade e que o trabalho da Andersen para a WorldCom atendia a todos os padrões. O porta-voz da Andersen, Patrick Dorton, reiterou hoje essa versão. Sullivan foi demitido logo após o estouro do escândalo. O relatório revisado parece ser uma tentativa da WorldCom de responder a algumas questões que apareceram após a primeira versão, enviada no mês passado. O chairman da SEC, Harvey Pitt, havia classificado o primeiro relatório como "totalmente inadequado e incompleto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.