Artistas fazem ato pela Varig; Gerald Thomas ofende Lula

O diretor teatral Gerald Thomas fez um gesto obsceno endereçado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por ele não acenar com nenhum tipo de socorro à Varig, empresa que enfrenta sérios problemas financeiros e que pode deixar de operar em breve por falta de caixa. Thomas participou de um manifesto de artistas em favor da companhia, num evento que reuniu nesta quarta-feira cerca de 100 atores e produtores no Teatro Leblon, na zona sul do Rio. ?Não são apenas 11 mil funcionários que irão perder os seus empregos. Quando o Lula fala que é a falência de uma companhia, não é a falência de uma companhia, ele está decretando a falência do próprio Brasil. Ele está decretando uma auto-falência, está decretando falência dele mesmo, do próprio umbigo. Lula, aqui para você?, disse Thomas, sinalizando com o dedo médio. Causou algum constrangimento à platéia, que o aplaudiu apenas parcialmente. A atriz Irene Ravache emocionou os participantes ao dizer que, ?quando tinha algum problema no exterior, não procurava as embaixadas, mas sim o balcão da companhia?. Marcos Nanini leu um manifesto em defesa da Varig. Marieta Severo, Louise Cardoso, Mauro Mendonça e Tônia Carreiro, o coreógrafo Carlinhos de Jesus e a jogadora de vôlei Virna também participaram do evento, organizado pela Associação Nacional dos Produtores Teatrais. O diretor de marketing da Varig, Faustino Pereira, disse que, em 2005, a empresa apoiou cerca de 70 projetos de cultura e arte, que custaram US$ 3 milhões. Este ano, até o momento, são 26 projetos apoiados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.