Árvores de natal chinesas estão contaminadas, diz EUA

O Natal ainda está longe, mas uma guerra comercial já começou entre Estados Unidos e China sobre um dos produtos mais vendidos para as festividades: as árvores de Natal. Washington se queixou na Organização Mundial do Comércio (OMC) de que as árvores importadas da China, a um preço, estão contaminadas por um besouro e que, portanto, não poderiam entrar no mercado americano. Os Estados Unidos alegam que o besouro encontrado é muito similar a outra peste que está custando aos americanos US$ 200 milhões para erradicar na agricultura. Os fiscais sanitários dos Estados Unidos descobriram o problema nos portos do país ao identificarem a proliferação da peste em outros produtos que ficavam próximas às árvores. Os chineses alegam que já tomaram as medidas necessárias e que o comércio poderia continuar. Mas os Estados Unidos dizem que já interceptaram 418 carregamentos com problemas e, agora, querem visitar as produções dos produtos na China antes de liberar o comércio de árvores de natal. Segundo Washington, um a cada 50 carregamentos de árvores é identificado com a peste. No ano passado, já colocou barreira para impedir problemas sanitários em Nova Iorque e Chicago. No início da semana, outra lei foi aprovada restringindo ainda mais a entrada de produtos de madeira da China. Para Pequim, se barreira não for revista, o comércio de árvores antes do Natal pode ser afetado. Além de ser um dos principais fornecedores de árvores para o Natal americano, a China já se tornou o principal local de produção de brinquedos do mundo. Em Pequim, as empresas comentam ironicamente que Papai Noel mudou sua produção de séculos da Lapônia, na Finlândia, para a China.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.