'As coisas vão acontecer', diz Lula sobre Doha

Presidente conta ter falado com Amorim e diz que, se acordo não acontecer, 'valeu o sacrifício'

Leonencio Nossa e Jair Rattner, de O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2008 | 17h35

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, embora admitindo, implicitamente, que as negociações da Rodada Doha, na Organização Internacional do Comércio, em Genebra, podem não resultar em um acordo para desobstruir o comércio internacional, voltou a declarar-se otimista em relação à possibilidade de um entendimento.  Veja também:Não sei quando inflação voltará à meta, diz LulaQuinto dia na OMC termina com princípio de acordo em DohaRodada Doha: entenda o que está em jogo em Genebra Reunião acabou com sinais 'animadores', diz porta-voz da OMCUE oferece ao Brasil acordo sobre etanol na OMC O presidente contou que conversou nesta sexta-feira, 25, por telefone com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, que participa das negociações na Organização Mundial do Comércio (OMC), em Genebra. O presidente disse ter ouvido de Amorim que está otimista e que "as coisas vão acontecer".  "Vocês imaginem se um negociador pode sentar a uma mesa já derrotado! Tem que ir até o último segundo, tem que continuar lutando para que as coisas aconteçam. Se não acontecer (um acordo na OMC), valeu o sacrifício", disse. Ante essa resposta, um repórter perguntou ao presidente se estava dando como certo o fracasso das negociações da Rodada Doha. Lula fez o possível para evitar confirmar essa conclusão: "Se eu disser que não pode acontecer (o acordo)", argumentou, "sua manchete vai dizer - como as pessoas que fazem manchete nos jornais são muito inteligentes..., vai dizer: 'Presidente reconhece que pode não acontecer'. Para evitar essa manchete, eu digo, até o último milésimo de segundo: "Estarei acreditando que vai acontecer o acordo da Rodada Doha."  Stephanes Em entrevista coletiva, o presidente, respondendo a uma pergunta sobre a afirmação feita ao jornal O Estado de S. Paulo pelo ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, de que a negociação na OMC "não serve para nada", deu a entender que a considera apenas uma opinião pessoal. "A fala de Stephanes não tem nenhuma influência na Organização Mundial do Comércio", respondeu Lula. Lula respondeu também a uma pergunta sobre a oferta da União Européia, que se dispôs a comprar do Brasil 1,4 milhão de toneladas de etanol, até 2020, em troca de maior acesso ao mercado brasileiro de produtos industrializados.  Um repórter quis saber se o presidente brasileiro aceitaria que o etanol brasileiro fosse utilizado como moeda de troca no comércio com os europeus. Lula respondeu: "Vocês percebem, pela minha fisionomia, que continuo otimista em relação à Rodada Doha. Tenho clareza da dificuldade de uma negociação. Vocês, quando vão a um lugar comprar um automóvel usado, vocês percebem quanto perdem de tempo fazendo negociação. Transformem essa dificuldade que uma pessoa tem para comprar um carro usado numa negociação que envolve dezenas de países com interesses difusos", disse. "A única coisa de que tenho clareza é que a inteligência humana obrigará governantes do mundo inteiro a terem consciência de que é preciso um acordo na Rodada Doha para que possamos ajudar os países mais pobres, em primeiro lugar, e, depois, os emergentes a terem mais facilidade para colocarem seus produtos no mercado altamente desenvolvido, como os da Europa e Estados Unidos", continuou.

Mais conteúdo sobre:
Rodada DohaCelso AmorimOMCLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.