Christian Hartmann/REUTERS - 12/01/2019
Christian Hartmann/REUTERS - 12/01/2019

As manifestações e as expectativas frustradas

Ao longo dos últimos 100 anos, os Estados prometeram farta distribuição de benefícios sociais que agora não conseguem entregar

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2019 | 19h00

Por toda a parte, especialmente no Ocidente, estouram manifestações de indignação das classes médias. Para cada caso há uma explicação corrente ou, mesmo, nenhuma. É o salário achatado, é o uso crescente de tecnologia que derruba a utilização de mão de obra, é a importação de produtos asiáticos mais baratos, a corrupção das elites, a incompetência dos governos e, em alguns casos, o maior afluxo de imigrantes. Seria uma espécie de malaise dos nossos tempos, como diriam os franceses.

São explicações parciais e até mesmo ilusórias, como atribuir um acidente de automóvel ao vento excessivo, a um buraco na pista, a uma eventual barbeiragem do condutor à frente. Vai que a principal causa é mesmo a falta de freios ou a velocidade excessiva.

No caso dessa grande onda de indignação que se espraia pelo mundo, a principal causa tem de ser buscada em outras paragens. Ao longo dos últimos 100 anos, os Estados prometeram farta distribuição de benefícios sociais que agora não conseguem entregar. Daí o desemprego crescente, especialmente entre os jovens; a aposentadoria insatisfatória e, mais do que isso, ameaçada; os serviços precários de saúde, de educação e de segurança; e a exasperante falta de perspectivas.

O Estado socialista falhou pelas razões já conhecidas e já ninguém mais conta com o paraíso prometido que viria com a ditadura do proletariado. Em nenhum momento conseguiu materializar seu objetivo sintetizado na frase de Louis Blanc: “De cada um segundo sua capacidade, a cada um segundo suas necessidades”. Ficaram as cicatrizes, algumas das quais visíveis na Alemanha, que agora comemora os 30 anos da queda do muro de Berlim

O Estado do bem-estar social, por sua vez, comandado pelos regimes social-democratas ou mesmo pelo capitalismo neoliberal, também prometeu trabalho bem remunerado para todos, farto seguro-desemprego, aposentadoria digna, excelência na prestação de serviços de saúde e educação, infraestrutura de qualidade e tudo o mais. Mas também não consegue cumprir o combinado. Por toda parte, o aumento da renda (PIB) é rastejante, a arrecadação está comprometida, os Tesouros, quase quebrados e os serviços públicos, em franca deterioração.

Diante da falta de soluções fáceis e em ambientes cada vez mais destituídos de racionalidade, os aproveitadores de sempre apontam os culpados que encontram à mão. Daí por que de Norte a Sul espocam movimentos populistas e xenófobos e propostas carregadas de nacionalismo cego, que põem em risco o funcionamento dos sistemas democráticos e alimentam autoritarismos de todo o tipo. 

Também não é verdade que a causa de todos os males seja o aumento da pobreza e a concentração de renda. Na Ásia, por exemplo, em apenas duas décadas quase meio bilhão de pessoas foram resgatadas da miséria. E aqui no Brasil os governos não vêm proporcionando os direitos e benefícios consagrados na Constituição de 1988. Ainda assim, até mesmo os governos do PT vinham alardeando melhora de vida das populações de mais baixa renda. Lá fora e aqui, na média, as pessoas vivem mais e melhor do que nos anos 50. Ainda é pouco diante do caminho a percorrer, mas não dá para negar os avanços.

A concentração de renda é, sim, um problema. Mas convém não esperar demais de amplas e profundas políticas de redistribuição, ainda que venham a ser colocadas em prática. Se os 10% dos mais ricos do mundo fossem expropriados e seu patrimônio redistribuído, não caberia mais do que uma canequinha para cada um. 

Este é momento de grande déficit de utopias, o conjunto de ideias e propostas que movimentam a humanidade ao longo da História. E não será a mensagem dos autoritários da hora que preencherão essa e outras lacunas. Por isso, terão fôlego curto. Mas até que sejam definitivamente desmoralizados, a democracia poderá sair seriamente avariada. 

No passado, situações tão aflitivas como a atual eram resolvidas com guerras, que se encarregavam de remontar o equilíbrio possível. Agora, no entanto, esse recurso envolve riscos nunca dantes enfrentados, porque a desova dos arsenais nucleares poderá destruir tudo, até mesmo a esperança.

Não há quem hoje seja capaz de apontar para saídas fáceis. Mas, quaisquer que sejam elas, terão de reduzir as expectativas da população aos verdadeiros tamanhos dos Estados.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
democracianacionalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.