finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ásia fecha com resultados mistos após pacote dos EUA

Índice Nikkei, de Tóquio, perde 1,33%; em Seul, Kospi registra alta de 4,72%

Efe,

26 de novembro de 2008 | 05h39

As Bolsas asiáticas tiveram reações diferentes ao pacote americano de estímulo à economia de US$ 800 bilhões na terça-feira. Os mercados fecharam com resultados mistos. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  O índice Nikkei da Bolsa de Tóquio fechou em baixa de 110,71 pontos (1,33%), aos 8.213,22. O indicador Topix, que reúne todos os valores da primeira seção, caiu 14,36 pontos (1,72%), para 817,22. Kuala Lumpur, Sydney e Bangcoc seguiram a bolsa japonesa e encerraram em baixa de 0,90%, 2,68% e 2,17%. As outras bolsas fecharam no positivo. O índice Kospi do mercado sul-coreano ganhou 46,46 pontos (4,72%) e fechou em 1.029,78 unidades. O indicador de valores tecnológicos Kosdaq subiu 8,12 pontos(2,83%), até os 295,51 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng aumentou 2,46%. Assim como, o Strait Times, de Cingapura, que ganhou 0,78%. O índice de Jacarta subiu 2,72%; o de Manila 1,30% e o de Xangai 0,49%. O programa americano prevê a injeção de US$ 200 bilhões para baratear o crédito ao consumidor e US$ 600 bilhões para reduzir juros em financiamentos imobiliários. Na tentativa de lidar com a crise de crédito que tomou conta da economia americana, o Tesouro já injetou US$ 250 bilhões em bancos do país, mas as instituições, muito fragilizadas, ainda não voltaram a conceder empréstimos normalmente. O Fed também já reduziu a taxa de juros de 4,25% para 1%, ou seja, a política monetária tradicional está no limite. Agora, o banco central americano passa a injetar dinheiro diretamente nas áreas onde o crédito continua paralisado. Somadas todas as medidas adotadas até agora, o governo já concedeu US$ 7 trilhões em garantias, empréstimos ou compras de participações em empresas e bancos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.