Ásia fecha em alta na esteira da China; Xangai recuperou 4,5%

Papéis do setor de energia, na esteira dos ganhos do petróleo, fez as Bolsas da China terem grande elevação

Ricardo Criez e Hélio Barboza, da Agência Estado,

20 de agosto de 2009 | 08h58

Os principais mercados asiáticos fecharam em forte elevação nesta quinta-feira, 20, revertendo as perdas verificadas nos pregões de ontem. As bolsas chinesas foram novamente o carro-chefe, influenciando os demais mercados da região.

 

Os papéis do setor de energia, na esteira dos ganhos do petróleo, fez as Bolsas da China apresentarem grande elevação, revertendo o pesado declínio registrado na véspera. A recuperação dos mercados, contudo, deixou os analistas inseguros sobre a futura direção das bolsas. O Xangai Composto disparou 4,5% e encerrou aos 2.911,58 pontos, após cair 4,3% nesta última quarta-feira, 19. Já o Shenzhen Composto avançou 3,8% e terminou aos 956,52 pontos. A alta do petróleo ajudou China Petroleum & Chemical Corp. a faturar 2,9%, enquanto China Shenhua Energy subiu 7,9%. PetroChina, maior companhia de petróleo da China, adicionou 6,9%, sendo responsável por grande parte dos ganhos do índice Xangai, onde seu peso é de 20%.

 

O salto no mercado acionário chinês pressionou o dólar e estimulou o apetite dos investidores por outras moedas. Isso fez o yuan se valorizar em relação à moeda norte-americana. No mercado de balcão, o dólar encerrou a 6,8318 yuans, de 6,8341 yuans do fechamento de quarta-feira.

 

A forte recuperação dos mercados chineses ajudou a Bolsa de Hong Kong a fechar no território positivo, com os ganhos liderados pelas ações do setor imobiliário. O Hang Seng subiu 374,63 pontos, ou 1,9%, e encerrou aos 20.328,86 pontos. Entre as imobiliárias, Hang Lung Properties disparou 5,1%, Cheung Kong Holdings avançou 4,2% e Sun Hung Kai Properties adicionou 3,9%.

 

Já a peso pesado China Mobile perdeu 0,2%, após divulgar balanço com redução no crescimento do lucro no primeiro semestre em comparação ao mesmo período do ano passado, de 1,5% para 55,3 bilhões de yuans (US$ 8,09 bilhões). O número foi também inferior à previsão dos analistas de 56,44 bilhões de yuans.

 

A Bolsa de Taipé, em Taiwan, apresentou nova queda. Os investidores estão temerosos de que possíveis mudanças no Ministério possam atrasar a assinatura do pacto comercial com a China. O índice Taiwan Weighted caiu 0,8% e terminou aos 6.733,23 pontos, o pior fechamento desde 14 de julho. O setor financeiro foi o mais afetado: Chinatrust Financial despencou 3,7%.

 

Na Coreia do Sul, a recuperação da Bolsa de Seul foi liderada pelas ações financeiras e do setor automotivo. O índice Kospi subiu 2% e fechou aos 1.576,39 pontos. KB Financial Group saltou 6,1%, Hyundai Motor ganhou 4,5% e sua subsidiária Kia teve alta de 3%.

 

A recuperação das bolsas estrangeiras e um conjunto misto de balanços corporativos na Austrália fizeram a Bolsa de Sydney ter um fechamento praticamente estável. O índice S&P/ASX 200 avançou apenas 0,1% e terminou aos 4.377,5 pontos. A maior contribuição positiva veio da Woodside Petroleum, cujas ações saltaram 7,3%. Após o encerramento dos negócios, a Rio Tinto divulgou resultados do primeiro semestre basicamente em linha com as expectativas.

 

Nas Filipinas, os investidores da Bolsa de Manila realizaram lucros antes de um feriado prolongado, e o índice PSE recuou 1,5% e fechou aos 2.720,18 pontos.

 

A Bolsa de Cingapura seguiu a recuperação da de Xangai e encerrou em alta, acompanhando também o começo em alta nos mercados europeus. O índice Straits Times avançou 1.5% e fechou aos 2.559,57 pontos.

 

Na Indonésia, o índice composto da Bolsa de Jacarta subiu 2,2% e fechou aos 2.328,64 pontos, com procura por barganhas por fundos locais em ações relacionadas a petróleo devido à alta dos preços da commodity.

 

Na Tailândia, o índice SET da Bolsa de Bangcoc ganhou 1,5% e fechou aos 640,98 pontos, com a forte alta dos preços futuros do petróleo dominando o índice ao elevar as ações de energia; o sentimento também foi elevado pelos fortes ralis na China e em Hong Kong.

 

O índice composto de cem blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur, na Malásia, subiu 0,7% e fechou aos 1.163,43 pontos estimulado por ganhos nos mercados regionais após a alta em Wall Street. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
mercado financeirobolsasÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.