finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ásia ganha força nos planos das múltis brasileiras

Mais da metade das empresas que planejam aquisições em outros países nos próximos anos estudam países como China e Índia

MARINA GAZZONI, O Estado de S.Paulo

21 de outubro de 2011 | 03h06

A China e a Índia ganham força como rotas de expansão das multinacionais brasileiras. É o que aponta uma pesquisa feita pelas consultorias Marsh e Mercer com 30 grandes empresas do País que fizeram aquisições internacionais nos últimos três anos. Metade delas planeja comprar ativos no exterior em dois anos. E os países emergentes asiáticos estão no alvo de 53% dessas companhias.

A procura de ativos na Ásia é um movimento relativamente novo entre as multinacionais brasileiras. As grandes companhias fizeram 16 aquisições internacionais neste ano, uma soma que chega a US$ 3,6 bilhões, segundo dados da consultoria Mergermarket. Mas nenhuma delas foi na Ásia.

A Totvs, líder brasileira no setor de softwares, é uma das companhias que estuda aquisições na China, entre outros mercados emergentes, de acordo com o presidente da empresa, Laercio Cosentino. "Não vale a pena fazer aquisições em mercados maduros, como os Estados Unidos, onde o setor de softwares cresce 2,5% ao ano. Nos emergentes, podemos crescer em um ritmo de 20%", diz.

A fabricante de motores Weg saiu na frente e comprou uma companhia chinesa em 2004. "Além de adquirimos uma carteira local de clientes, ganhamos muitos clientes globais que já haviam instalado suas fábricas no país", afirmou o diretor-superintendente da Weg Motores, Siegfried Kreutzfeld.

As multinacionais brasileiras seguem uma tendência global de busca de ativos em países emergentes. O grande poder de atratividade dessas economias é o potencial de expansão dos negócios, a competitividade global e os custos reduzidos, de acordo com o diretor de fusões e aquisições da Marsh, Paulo Baptista.

As aquisições na América Latina ainda lideram os planos de internacionalização das empresas, com 73% das intenções de compra. Neste ano, metade das companhias estrangeiras adquiridas está na região. "É a continuidade de um movimento que já vem acontecendo. Os latino-americanos são próximos ao Brasil e também têm características de economias emergentes", afirma a diretora da Mercer no segmento de fusões, Luiza Barguil.

A internacionalização do Itaú Unibanco passou por um processo de aquisições de ativos na América Latina e deve continuar com esse foco, afirmou o vice-presidente executivo do banco, Alfredo Setúbal. "É onde a nossa marca é mais conhecida", diz. O Itaú comprou a operação do Bank Boston no Chile e no Uruguai em 2007. Ele também atua como banco de varejo na Argentina e no Paraguai.

Cultura. Para ganhar mercado no exterior, o Itaú optou por manter executivos locais à frente da operação e respeitar as características regionais de produtos e serviços. "No Brasil, percebemos que os bancos estrangeiros trazem produtos com nomes impronunciáveis e que não têm nada a ver com a realidade do País. Achamos isso errado e não queremos repetir esse erro no exterior", diz Setúbal.

Para operar no mercado asiático, os desafios culturais são maiores e começam pela comunicação no ambiente corporativo. "Os chineses jamais dizem 'não' explicitamente. E aquilo que parece um 'sim' pode ser apenas um 'talvez'", diz o diretor-superintendente da Weg Motores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.