Ásia não está em estágio para união monetária

O presidente eleito do Banco de Desenvolvimento Asiático (ADB, na sigla em inglês), Takehiko Nakao, disse que uma moeda comum não é desejável para a Ásia, desenhando uma clara distinção em relação a zona do euro, para a qual alguns países asiáticos olham como um modelo de integração regional econômica. Em uma coletiva de imprensa na última sexta-feira, 26, após ser eleito chefe do banco, com sede em Manila, o ex-vice-ministro das Finanças japonês disse que a Ásia "ainda não está em um estágio para pensar em uma união monetária".

GABRIELA VIEIRA, Agencia Estado

28 de abril de 2013 | 11h08

Ele disse que é "muito cético" em relação à criação de uma moeda comum na região, mesmo no futuro, com um avanço da integração econômica, destacando que as diferenças econômicas, culturais e políticas da região são muito maiores do que as da Europa.

"Mesmo na Europa, onde os países têm um sistema econômico e níveis de desenvolvimento econômico semelhantes, e têm um desejo comum de superar sua história de guerras, o projeto para criação de uma moeda comum enfrenta graves desafios", afirmou Nakao. "Nenhuma moeda comum é possível sem que os países tenham boa vontade para fazer transferências fiscais entre eles para lidar com problemas financeiros", completou. "É muito mais produtivo para os países asiáticos focar seus esforços no desenvolvimento do uso de suas próprias moedas" para o comércio regional e transações financeiras.

Tendo grande experiência com volatilidade de taxa de câmbio, o Japão têm sido um forte defensor da criação de uma moeda regional. Japão, China, Coreia do Sul, juntamente com a Associação de dez membros das Nações do Sudeste Asiático (Asean) - grupo conhecido como Asean +3 - têm estudado uma possível união monetária regional desde 2006.

A integração econômica está progredindo na Ásia sob o apoio da Asean, com conversas para a criação de uma zona de livre comércio iniciadas no ano passado. O Asean +3 também vem construindo uma rede para acordos de swap de câmbio, com o objetivo de complementar o papel do Fundo Monetário Internacional (FMI) durante crises econômicas. O grupo está desenvolvendo ainda um mercado de títulos regional para promover a emissão dos papéis denominados em moeda local.

Nakao se tornou o nono presidente do ADB, todos japoneses. Ele entra no lugar de Haruhiko Kuroda, que deixou o cargo para assumir a presidência do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês). Ele ressaltou que o Japão não desencorajou a candidatura de outros países ao cargo, mas também não os incentivou. "Nós entramos na eleição com a intenção de vencer", disse. "É difícil para nós fazer uma oferta e instar outros países a se unir a competição ao mesmo tempo".

Com 35 anos de experiência no Ministério das Finanças, Nakao foi destacado para o Fundo Monetário Internacional entre 1994 e 1997, onde teve a responsabilidade pelos programas em Gana, Quirguistão e Jordânia. Seu primeiro grande evento na chefia do ADB será o encontro anual, em Nova Délhi, marcado para os dias 04 e 05 de maio. A reunião acontece em meio a sinais de discórdia entre as três maiores economias da região: Japão, China e Coreia.

Os ministros de finanças dos três países decidiram pular uma reunião trilateral que era regularmente realizada à margem do encontro, devido a tensões políticas. Há um atrito entre o Japão e China sobre a posse de ilhas desabitadas no Mar da China Oriental.

Nakao, no entanto, destacou que os dois países compartilham muitos interesses. Por exemplo, a China olha para o Japão para buscar ajuda para os seus problemas fiscais e financeiros, já que o país lida com bolhas imobiliárias e o envelhecimento da população - questões com as quais o Japão é muito familiarizado. "Não há dúvida de Japão pode contribuir para a economia da região, ajudando a China a lidar com os seus desafios", disse o novo presidente. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Ásiamoeda comumADB

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.