Ásia vai liberar reservas de petróleo em acordo global

Nações asiáticas buscavam liberar estoques de petróleo nesta sexta-feira, como parte de uma rara medida coordenada globalmente pelos países consumidores para impedir que os altos preços de energia prejudiquem a recuperação econômica.

REUTERS

24 de junho de 2011 | 07h26

A ação, liderada por Washington e criticada pela indústria do petróleo como uma distorção desnecessária dos mercados, sugere uma mudança fundamental na parte do mundo industrializado para intervir nos preços de commodities como ferramenta de política econômica.

Dúvidas emergiam sobre o impacto no longo prazo da decisão da Agência Internacional de Energia para liberar 60 milhões de barris durante o mês que vem.

O ministro japonês de Economia, Kaoru Yosano, disse que a medida da AIE é um alerta para os especuladores, mas o ministro do Petróleo da Índia, S. Jaipal Reddy, duvidou da eficácia da ação.

A liberação de estoques é apenas a terceira nos 37 anos de história da agência, que foi criada como contraponto à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Japão e Coreia do Sul, membros da AIE, disseram que começarão a liberar reservas de petróleo na semana que vem, de acordo com as metas da agência.

A medida vem após um acordo do G20, feito em Paris na quinta-feira, com o objetivo de combater a elevação dos preços de alimentos ao ampliar a produção agrícola, a transparência do mercado e a coordenação de políticas.

(Por Tomasz Janowski)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROASIAPETROLEO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.