Assembléia de bairros convoca panelaço para sexta

Cerca de três mil moradores de Buenos Aires, reunidos numa assembléia popular, decidiram convocar um "panelaço" geral para a próxima sexta-feira, com o objetivo de pedir a renúncia do atual governo. Os moradores dos bairros da capital federal alegam que o governo de Eduardo Duhalde não é mais do que os anteriores e por isso a população não deve reconhecê-lo. Desde o dia 20 de dezembro, data do primeiro panelaço que derrubou o governo de Fernando de la Rúa, os moradores de diversos bairros da cidade começaram a se reunir numa esquina estratégica para deliberar sobre o "movimento popular pela luta e defesa dos interesses dos argentinos". Pesificação - As assembléias foram surgindo, espontaneamente, ao longo de dezembro e de janeiro, até chegar à grande assembléia geral, realizada no domingo passado, que reuniu os grupos de moradores dos principais bairros da cidade e alguns da província de Buenos Aires. O movimento pretende fazer muito barulho contra a pesificação dos depósitos em dólares. Apagão - As assembléias também convocam a população de todo o país para um apagão, diariamente, às 22 horas. Este protesto já é visível nos bairros da capital há pelo menos duas semanas, quando os edifícios e casas apagam todas suas luzes por uma hora. Os telefones também são desconectados nessa hora. "Queremos que os políticos saibam que estamos em estado de alerta permanente e que sabemos que eles querem terminar de nos apertar", declarou María Cristina Domínguez, líder da assembléia do bairro Almagro, um dos mais tradicionais de Buenos Aires.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.