Assistência técnica: cuidados evitam fraudes

Além do incômodo de ter seu eletrodoméstico quebrado, o consumidor também enfrenta as fraudes praticadas por algumas oficinas autorizadas de assistência técnica. Segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), as reclamações mais comuns são execução do serviço sem autorização, trocas desnecessárias de peças e orçamentos exorbitantes. Como não existem critérios estabelecidos nem padronização de preços, fica difícil avaliar a idoneidade do serviço prestado. Observando algumas dicas do Idec, você pode evitar ser vítima de oficinas fraudulentas. Preparadas com base no Código de Defesa do Consumidor, as recomendações também levaram em consideração um teste realizado pelo Instituto, que avaliou o serviço de 26 assistências técnicas. Para verificar a idoneidade das oficinas autorizadas, o Idec comprou seis televisores e sete videocassetes, implantou um pequeno defeito em cada aparelho e levou-os às assistências técnicas de cada marca. Apenas quatro autorizadas fizeram o diagnóstico correto do problema e apresentaram um orçamento justo. Veja os cuidados sugeridos pelo Idec para não ser enganado ao contratar serviços de conserto de aparelhos:Escolha com cuidadoTenha cautela ao contratar uma oficina. Entre em contato com o serviço de atendimento do fabricante e solicite o endereço de duas ou três autorizadas próximas. Com isso, será possível fazer orçamentos comparativos. Para economizar ainda mais, leve o aparelho à oficina e livre-se da taxa de visita.Analise o orçamentoCaso o equipamento tenha de ficar na oficina, exija diagnóstico e orçamento prévio para o serviço. Não aceite orçamentos pré-aprovados porque, neste sistema, a autorizada supõe uma ou mais causas para o problema e diz que o conserto, conforme o que tiver de ser feito, ficará numa faixa de preço. O problema é que a oficina sempre cobra o valor máximo pelo serviço.Registre tudoVeja se no orçamento constam identificação da oficina, data de entrega do aparelho à oficina, prazo de garantia, condições do aparelho (se ele foi entregue em perfeito estado ou não), descrição de peças, serviços e valores, datas de início e término do serviço e condições de pagamento. Negocie pessoalmenteVá até a oficina para conferir o orçamento. Se você não concordar com o preço estipulado, retire o aparelho imediatamente. Assim, você impede que uma oficina fraudulenta retire peças novas de seu aparelho. Se você concordar com o orçamento, peça que a oficina o apresente por escrito. Com isso, a assistência não poderá cobrar outro valor quando terminar o serviço.Exija a nota fiscalSó pague o serviço mediante apresentação da nota fiscal. Além disso, se for possível, exija a apresentação das peças que foram trocadas. Isso evita que a oficina reutilize-as em outros aparelhos.ReclameDe acordo com o Código de Defesa do Consumidor, você tem trinta dias para reclamar de um serviço malfeito a partir do momento em que o problema for constatado. Qualquer reclamação deve ser feita por escrito. O consumidor pode solicitar reexecução do serviço, troca da peça defeituosa ou restituição do valor pago.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.