Associação de aço chinesa sugere boicote à Rio Tinto

A Associação de Minério de Ferro e Aço da China pediu que as siderúrgicas chinesas e as empresas que negociam minério de ferro boicotem as vendas da Rio Tinto no mercado à vista, alegando que a mineradora australiana não cumpre plenamente as obrigações de fornecimento previstas em seus contratos de longo prazo com as empresas chinesas. "Pedimos que as usinas e operadoras nacionais não apóiem nem participem das atividades de venda no mercado à vista do minério de ferro da Rio Tinto na China", diz um comunicado da associação, publicado em sua página na internet.A medida intensificará as tensões entre as siderúrgicas chinesas e a Rio Tinto, que tenta elevar os preços dos contratos de minério de ferro nas duras negociações com as siderúrgicas. A mineradora australiana disse que cumpre todas as obrigações contratuais e manifestou preocupação com a proposta de boicote. Segundo a companhia, essa medida deve ser vista no contexto das negociações que estão em andamento.A Associação de Minério de Ferro e Aço da China, composta por grandes siderúrgicas do país, disse que embora tenha informado aos seus clientes chineses que não dispõe de minério suficiente para cumprir os contratos, a Rio Tinto estava ofertando o produto no mercado à vista, o que levou à suspeita de que estaria tirando vantagem dos preços mais elevados desse mercado.Um porta-voz da Rio Tinto disse que a mineradora tem o direito de reduzir os volumes fornecidos. A companhia australiana disse que está habilitada para a venda no mercado à vista e considerou um "desenvolvimento muito preocupante" o fato de a associação sugerir uma ação conjunta para impedir esse tipo de venda. "A Rio Tinto compreende que, quando o mercado fica tão apertado como está, as siderúrgicas queiram maximizar seus volumes", afirmou Sam Walsh, executivo-chefe da Rio Tinto Iron Ore. "Porém, a Rio Tinto continua determinada a obter um preço justo para seus acionistas", declarou.A Rio Tinto tem apontado a disparada dos preços do minério no mercado à vista para pedir uma elevação dos preços contratuais. Walsh observou que o minério vendido no mercado à vista encontra-se agora entre US$ 180 e US$ 190 a tonelada, enquanto o diferencial de frete cujo reconhecimento a Rio Tinto está reivindicando também está num nível recorde.Para os analistas, o tenso diálogo entre as partes indica que as demoradas negociações sobre os contratos de longo prazo estão longe de uma conclusão. "Este anúncio inflamado mostra que as siderúrgicas locais estão enfrentando dificuldades no recebimento do minério de ferro dos contratos de longo prazo", disse um analista de uma consultoria internacional, que não quis se identificar.As siderúrgicas chinesas, lideradas pela Baosteel, ainda negociam com a Rio Tinto e a BHP Billiton os preços dos contratos de fornecimento para 2008. Em fevereiro, a controladora da Baoshan Iron & Steel fechou um acordo com a Vale para um aumento de 65% a 71% nos preços contratuais, dependendo da qualidade do minério.A Rio Tinto, porém, reivindica preços mais elevados, argumentando que as mineradoras australianas deveriam receber um prêmio por oferecerem um minério mais barato, por conta do diferencial de frete gerado pela sua proximidade em relação aos clientes chineses. Um preço mais alto também ajudaria a Rio Tinto a se defender da oferta hostil de compra feita pela BHP Billiton. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.