Associação de bancos pede fim da goteira do corralito

A Associação de Bancos da Argentina (ABA) solicitou hoje ao ministro de Economia, Roberto Lavagna, a eliminação do artigo 31 do decreto 905/02, que estabelece a troca de depósitos por bônus e o fim da goteira do "corralito". O ministro recebeu a diretoria da ABA para analisar os detalhes da troca de depósitos do bônus em dólares, cujo prazo venceu na última sexta-feira e que o próprio Lavagna já admitiu que foi um fracasso. Roberto Lavagna decidiu prorrogar o prazo até o dia 16 de julho, quando vence o período para optar por outros dois títulos. Pelo referido artigo, os bancos ficam obrigados a desistir de enventuais protestos judiciais ao constituir a garantia para os títulos correspondentes à operação. Os banqueiros pediram a suspensão deste artigo porque consideram que "isso amarra as mãos do setor bancário que não poderá apelar à justiça", disse uma fonte da ABA à agência de notícias Telam. Outra fonte da ABA confirmou à Agência Estado que a reivindicação foi feita ao ministro, além de discutirem a péssima aceitação do público pela troca de depósitos. O ministro, no entanto, não pareceu ter intenções de aceitar o pedido dos banqueiros, nem mesmo de tornar a troca compulsória para frear a saída dos depósitos. "Se os depositantes preferem ficar com seus créditos com os bancos em lugar de ter o crédito do Estado através dos bônus, é uma maneira totalmente legítima para expressar seus interesses", afirmou Lavagna.

Agencia Estado,

08 de julho de 2002 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.