Fábio Motta|Estadão
Fábio Motta|Estadão

Associação de funcionários do BNDES critica proposta para mudar TJLP

Projeto prevê que taxa de juros usada nos empréstimos do banco siga o comportamento dos títulos públicos atrelados à inflação

Vinícius Neder, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2017 | 22h08

RIO - A AFBNDES, associação dos funcionários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), criticou, em nota distribuída a todos os empregados nesta terça-feira, 24, a forma como a diretoria da instituição de fomento está tratando os estudos para mudar o cálculo da Taxa de Juros de Longo de Prazo (TJLP). 

A diretoria do BNDES vem estudando as mudanças em conjunto com o Banco Central (BC) e o Ministério da Fazenda. Como revelou o Broadcast, sistema de informações em tempo real do Grupo Estado, antes do Natal, a proposta é vincular a TJLP à taxa das NTN-Bs, títulos públicos atrelados à inflação

A AFBNDES se posicionou contra essa ideia e, além disso, afirmou que faltou discussão sobre as mudanças em estudo com o corpo técnico do banco. "Não podemos aceitar que um projeto de lei dessa importância seja encaminhado para Brasília sem a devida discussão com a Casa. Isso é um desrespeito completo ao quadro funcional", diz um trecho da nota.

A nota critica a proposta de vincular a TJLP a uma taxa de mercado, pois a taxa, considerada subsidiada por muito economistas, "tem sido tratada como a taxa que deveria incentivar ou induzir o setor privado em direções consideradas meritórias pelo governo". 

Por fim, a associação de funcionários defende que haja mais debate público sobre as mudanças no papel do BNDES, incluindo durante a campanha nas eleições presidenciais de 2018. "O BNDES é uma conquista histórica do povo brasileiro. Se democraticamente for compreendido que a instituição deve sair de cena para deixar o setor financeiro privado assumir as funções de promoção de política de desenvolvimento e política industrial, temos que aceitar, isso é parte do jogo democrático", diz outro trecho da nota. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.