Marcelo Chello/Estadão
Marcelo Chello/Estadão

Associação de postos vende gasolina a R$ 0,40 para chamar atenção para alta dos preços

Segundo diretor da AbriLivre, esse é o valor médio da receita bruta que fica com os postos por litro do combustível, que tem preço médio de R$ 5,7 no Estado de São Paulo

Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2021 | 16h25

O entregador Rai de Jesus Andrade, de 22 anos, garantiu combustível para um dia e meio de trabalho gastando R$ 4, nesta quinta-feira, 30. Ele aproveitou uma ação da Associação Brasileira dos Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres (AbriLivre) e abasteceu sua moto com 10 litros, a R$ 0,40 o litro, em um posto na Bela Vista, região central de São Paulo. No Estado, o preço médio do combustível é de R$ 5,775, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), mas, em algumas regiões do País, o valor ultrapassa R$ 7.

"Geralmente, coloco de 5 a 6 litros de gasolina, o que dá por volta de R$ 35 por dia. A quantidade de hoje vai render um dia e meio de trabalho de combustível”, afirma. Ele reclama que, por causa do aumento do preço do combustível este ano, teve de abrir mão de outras compras. “A gente tem que trabalhar mais para compensar. Está tudo caro. Não deixamos de comer, mas perdemos o lazer. Agora, a gente trabalha para comer e pagar as contas.” 

Com a ação desta quinta, a Abrilivre quis chamar a atenção para a fatia que fica com os revendedores no preço da gasolina na bomba. De acordo com o diretor executivo da associação, Rodrigo Zingales, R$ 0,40 é o valor médio da receita bruta de um posto de combustíveis  por litro de gasolina. “A margem do posto é baixa. A diferença do valor que ele vende para o que paga à distribuidora é muito pequena. Nós queremos mostrar isso ao consumidor. Com essa margem, o proprietário tem que pagar funcionários, impostos, taxas ambientais, limpeza, IPTU e custos operacionais”, afirma. 

“A gente acredita que o combustível alto prejudica o País como um todo, causando frete maior, preço de alimento mais caro, gerando inflação e até desemprego. É um efeito vicioso”, diz. 

O preço da gasolina é composto pelas fatias da Petrobras; da Cide e PIS/Pasep e Cofins, que são tributos federais, do biodiesel; do ICMS, imposto estadual; e da distribuição e revenda.

A associação recebeu a doação de 4 mil litros de gasolina comum de um dos postos associados para fazer o evento, que começou às 11h e se estendeu e foi até por volta de 15h. A venda era limitada a 10 litros por veículo, com pagamento apenas em dinheiro - 400 veículos, entre carros e motos, puderam abastecer.

Rodrigo Gonçalves, de 29 anos, que atua como produtor de publicidade, faz consertos de celular e também é motorista de aplicativo, aproveitou o desconto. “O aplicativo é apenas um complemento de renda, não a minha principal. Mas, mesmo assim, em tudo que eu faço utilizo o carro, como para visitar clientes. Meu veículo é minha casa”, diz. Ele costuma rodar 140 km em um dia e, com os 10 litros, acredita que vai conseguir fazer 100 km. "Ajuda bastante." / COLABOROU MARCELO CHELLO 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.