IBP/Divulgação
IBP/Divulgação

Associação de petróleo e gás contesta declarações de novo conselheiro do Cade

IBP ressalta que outros países têm papel definidor no preço dos combustíveis; conselheiro Gustavo Augusto afirmou ao ‘Estadão’ que Petrobras adota ‘conduta anticoncorrencial’ ao seguir cotações definidas pela Opep

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2022 | 18h34

RIO - O Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás Natural (IBP) reagiu às declarações do novo conselheiro do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Gustavo Augusto, ao Estadão, em sua primeira entrevista no cargo. Segundo Augusto, a Petrobras adota uma "conduta anticoncorrencial" ao definir os preços dos combustíveis com base nas ações de um cartel internacional: a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), o que não é verdade, observou o IBP.

"Existe uma dificuldade no Brasil de ultrapassar conceitos da década de 70. Hoje a gente tem uma dinâmica geopolítica muito mais complexa do que na década de 70, quando a Opep se formou. Hoje não é mais assim", disse a diretora de Downstream do IBP, Valéria Lima. "A fala do conselheiro reflete um certo desconhecimento da dinâmica atual de preços."

Ela ressaltou que o mercado tem novos agentes produtores de petróleo e exportadores. Os Estados Unidos, principalmente, têm uma grande capacidade de moderar os preços por causa do óleo de xisto, e não apenas a Opep.

"O shale gas ou oil (gás ou óleo de xisto) tem uma capacidade muito rápida de retomar a produção, o que coloca os Estados Unidos numa posição muito interessante nesse mercado, até para poder não deixar que os preços subam muito", avaliou.

Lima destacou também que hoje os próprios países que pertencem à Opep têm divergências entre eles. No início da pandemia, por exemplo, a Rússia - que faz parte do Opep+ -, não quis acompanhar o movimento de redução da produção determinado pela Opep, assim como outros países de fora do grupo.

"Isso mostra que não há um funcionamento tão coeso para dizer que a Opep é a definidora de preços, de que existe um cartel tão coeso que define preços no mundo inteiro. Chegou a ter preço negativo de petróleo nessa época porque os países não aceitaram reduzir a produção", disse Lima.

A diretora destaca ainda, que neste momento específico, a alta do preço do petróleo, que tem girado em torno dos US$ 100 a US$ 120 o barril, tem dois elementos principais: a invasão da Ucrânia pela Rússia e a guerra interna na Líbia.

"Dizer que a Opep dita o preço principal é simplificar demais a questão geopolítica, principalmente nesse momento de guerra que a gente vive", afirmou.

Na avaliação de Lima, por ser exportador de petróleo, o Brasil precisa deixar de sofrer pelo preços altos, já que se beneficia dessa valorização. Em 2022, a previsão é de que a arrecadação do governo cresça 60% em relação a 2021 no setor de petróleo devido à valorização da commodity.

"A gente vive um momento de inflação mundial e o IBP tem a tese de que uma questão importante para baixar o preço dos combustíveis é a mudança do ICMS, que vai passar a ser fixo. O estado tem alguns mecanismos para proteger a população mais vulnerável, como o vale-gás, para os que recebem o Auxílio Brasil", afirmou a diretora do IBP, ressaltando que nada justifica dar um subsídio generalizado para toda a economia, já que tem uma parcela da população que pode pagar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.