Associações orientam mutuários inadimplentes

O medo de perder o imóvel financiado tem levado cada vez mais mutuários inadimplentes a pedir socorro a associações que defendem os direitos do comprador. O desemprego e os baixos salários, que não têm aumento equivalente ao das prestações, são apontados como principais motivos do atraso nos pagamentos.De acordo com o presidente da Associação Nacional dos Mutuários (ANM), Marcelo Augusto Luz, diariamente, cerca de 35 pessoas, vão à sede da entidade pedir orientação sobre a melhor forma de acabar com a inadimplência no contrato da casa própria. No ano passado, a média era de 20 consultas por dia. "A maioria das pessoas que atendemos é de funcionários públicos, aposentados e desempregados", diz Luz. "Quando vêm aqui, elas já recorreram aos bancos e não conseguiram fazer um acordo."Segundo o presidente da ANM, a maior reclamação é que as prestações aumentam muito mais que o salário. "Esses mutuários estão com no mínimo três parcelas em atraso, correndo o risco de perder o imóvel e o dinheiro investido", afirma.Na Associação Brasileira de Mutuários da Habitação (ABMH) a maior parte das consultas também é motivada pelo temor ao leilão do imóvel. "O mutuário não conhece seus direitos, só a obrigação de pagar", diz a diretora administrativa da regional de São Paulo, Nilva Regina da Silva. A orientação da ABMH é que os mutuários não aceitem mudar o plano inicial do contrato para saldar a dívida. "Eles podem perder os benefícios a que tinham direito", alerta. No caso de contratos novos, uma orientação é negociar a transferência das parcelas em atraso para o saldo devedor, o que, a curto prazo, pode ser uma saída para quem não tem o dinheiro em mãos.Essas associações oferecem orientação gratuita aos mutuários, que contam com assessoria jurídica especializada. Na Central de Atendimento aos Mutuários e Moradores do Estado de SP (Cammesp) o número de consultas está em "nível elevadíssimo", segundo o presidente, Humberto Rocha.ABMH - 3816-5675. ANM - 3159-3108. Cammesp - 3337-1023.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.