Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

ESG

Coluna Fernanda Camargo: É necessário abrir mão do retorno para fazer investimentos de impacto?

Associações usam ‘Fiesp do B’ para falar com governo

Insatisfeitas com representação da Fiesp, entidades buscam rota alternativa para conseguir interlocução com ministro da Economia

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2020 | 04h00

A crise na relação entre grandes empresas paulistas e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) levou parte da elite empresarial que normalmente recorreria à entidade para a interlocução com o governo federal a buscar rotas alternativas. Algumas das associações industriais baseadas no Estado optaram por construir uma relação direta com o ministro da Economia, Paulo Guedes, sem ajuda da entidade presidida por Paulo Skaf. O grupo é formado por 11 entidades e se reúne com o ministro a cada 60 dias.

Embora não tenha atividade formal, o grupo foi apelidado de Coalizão Indústria e funciona como uma espécie de “Fiesp do B”. Começou a ganhar corpo no fim de 2018, a cinco dias da eleição, a partir de uma reunião de lideranças com a equipe do então candidato Jair Bolsonaro. Esse time de empresários inclui representantes de indústrias como aço, máquinas e equipamentos, elétrica e eletrônica, têxtil, calçados e construção civil, diz Marco Polo Mello Lopes, líder não oficial da coalizão, presidente do Instituto Aço Brasil e figura próxima à família Gerdau.

Segundo fontes ouvidas pelo Estado, a preferência de Paulo Guedes pela relação direta com essas associações seria sua proximidade com o dia a dia da economia. É algo que o ministro não veria em entidades como a Confederação Nacional das Indústrias (CNI) – à qual já fez críticas públicas – e a Fiesp. “O Skaf não tem interlocução com o Guedes”, diz um representante de uma associação que participa das reuniões, que acontecem sempre às sextas-feiras, no Rio de Janeiro. Procurado pela reportagem, o presidente da Fiesp não quis dar entrevista. 

O Ministério da Economia disse que não vai comentar. Segundo interlocutores de Guedes, qualquer notícia de animosidade dele em relação a Skaf é “fake news”. Na agenda oficial de Guedes, porém, enquanto o presidente do Instituto Aço Brasil foi recebido quatro vezes em 2019, houve dois encontros com Skaf – em um deles, o ministro foi acompanhar Bolsonaro.

Críticas

A insatisfação de parte dos industriais com a gestão de Skaf é antiga e ganhou força após os empresários Pedro Passos, Pedro Wongtschowski e Horácio Lafer Piva – membros do conselho de administração de Natura, Ultrapar e Klabin, respectivamente – publicarem artigo na Folha de S. Paulo, na terça-feira, criticando a atuação da Fiesp e de seu presidente, que vem concorrendo, até agora sem sucesso, a cargos públicos.

O Estado conversou com diversos industriais na quinta, 23. A percepção é de que a Fiesp perdeu relevância no debate econômico à medida que as ambições políticas de Skaf ganharam força. A aproximação do presidente da entidade com Bolsonaro – fortalecida a partir de uma viagem de ambos à China, em outubro de 2019 – é vista como algo que serve mais a um projeto político pessoal do que aos interesses da indústria paulista. “O Skaf é assim. Já foi lulista, dilmista e temerista. E agora é bolsonarista”, definiu um empresário, pedindo anonimato.

À medida que Bolsonaro colhe assinaturas para formar a Aliança pelo Brasil, seu novo partido, Skaf se posiciona para ser o candidato do partido a governador de São Paulo pela legenda, em outubro de 2022, dois meses antes do fim de seu mandato da Fiesp. “Ele está buscando uma saída honrosa – e essa porta seria o cargo de governador”, diz outra fonte da indústria. “Mas é uma aposta arriscada, pois até Bolsonaro tem muito tempo para mudar de ideia.”

No entanto, mesmo as entidades mais agressivas quando falam do presidente da Fiesp admitem que a aproximação com Bolsonaro pode ser um trunfo. Skaf, aliás, tem agitado a bandeira branca usando justamente a nova fase da relação com o presidente da República. Marcou um almoço na Fiesp, com a presença de Bolsonaro, para o dia 3 de fevereiro. E, para mostrar que ainda tem força no setor, está convidando mesmo gente com quem entrou em rota de colisão dentro da Fiesp. A estratégia tende a ser bem sucedida. “Como falar não para um almoço com um presidente da República?”, questionou um industrial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.