Ata do BoJ alerta sobre instabilidade da economia global

Os membros do Comitê de Política Monetária do Banco do Japão (BoJ, o banco central do país) expressaram, durante sua última reunião que ocorreu nos dias 6 e 7 de março, um aumento das preocupações sobre as incertezas econômicas internas e externas, falando especialmente sobre o impacto da alta dos preços da energia e das matérias-primas. O BoJ manteve a taxa de juros inalterada em 0,50% na reunião, que foi a última sob o comando de Toshihiko Fukui.Com os riscos negativos para o crescimento da economia doméstica, alguns membros do Comitê falaram sobre como assegurar que a política monetária permanecesse flexível, indicando que cortes na taxa de juros poderiam ser discutidos num futuro próximo, segundo a ata do encontro divulgada nesta segunda-feira pelo BoJ. Enquanto o comitê afirmou que a principal preocupação do banco central é não alterar sua política monetária, um membro disse que o BoJ deveria ser flexível. De acordo com ata, um outro membro destacou que "apesar da atual direção geral de ajuste na política de taxa de juros ter sido considerada apropriada, no futuro, se a situação pedir por um alívio, o banco deveria adotar uma ação apropriada e flexível".Os nove membros do conselho permaneceram cautelosos sobre as estimativas econômicas no Japão e ao redor do mundo. O comitê concordou "que as incertezas sobre o futuro desdobramento das economias externas, dos mercados financeiros globais e dos preços internacionais das commodities ainda permanecem".Um membro alertou que o BoJ deveria examinar de perto a sustentabilidade do ciclo de crescimento econômico conduzido pela produção, rendimento e gastos, à medida que as atividades das indústrias japonesas têm se tornado notadamente cautelosas". As informações são da Dow Jones

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.