Ata do Copom agrada mercado

A ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) foi destaque no mercado de juros nesta manhã e repercutiu positivamente. As taxas de juros chegaram a apresentar certo recuo. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 16,960% ao ano no início da tarde, frente a 17,080% ao ano registrados ontem. Com base na ata do Copom, os analistas destacam que o petróleo é o único empecilho para a retomada da queda da taxa básica de juros - Selic. Também apontaram como destaque a maior tranqüilidade demonstrada pelo Copom em relação à meta inflacionária de 2001 - de 4%. Para a meta de inflação desse ano - de 6% com possibilidade de alta de dois pontos porcentuais -, o cenário é melhor agora do que em agosto, quando o Copom justificou a manutenção da Selic em 16,5% ao ano em função da alta dos índices inflacionários.Na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), mesmo com a alta das bolsas norte-americanas e o cenário mais favorável traçado pela ata do Copom, o volume de negócios foi muito baixo na primeira parte do pregão - R$ 181 milhões. Em relação ao desempenho, a Bolsa entrou no período da tarde com alta inexpressiva, de 0,5%, e há pouco operava em alta de 1,05%.O baixo volume de negócios, que reflete a ausência de apostas do investidor estrangeiro e local, continua sendo apontado como principal motivo para o baixo desempenho da Bolsa. Mas alguns analistas ainda mantém a expectativa de que, passadas as turbulências de setembro, a Bolsa possa retomar a alta no médio prazo. No exterior, o petróleo e o euro dão sinais de menor instabilidade. O preço do barril do produto cru, negociado em Londres, está cotado a US$ 29,77 - queda 0,77% em relação aos últimos negócios de ontem.No mercado de câmbio, o baixo volume de negócios também foi verificado pelas mesas de operações dos bancos. O dólar começa a tarde sendo negociado a R$ 1,8460 na ponta de venda dos negócios - queda de 0,16%% em relação às últimas operações de ontem.E veja ainda hoje mais informações sobre a Ata do Copom.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.