Ata do Copom já nasceu com dados antigos, aponta Fipe

O conteúdo ata do Comitê de Política Monetária (Copom) da reunião de novembro pereceu rapidamente, na opinião do coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), Paulo Picchetti. Ele fez o comentário ao comparar os dados do documento sobre a expectativa de alta da gasolina em 2004 e o anúncio da Petrobras de que o combustível seria reajustado em 4,2% a partir de amanhã. "O BC terá de rever suas projeções para este item ao longo deste ano", argumentou. "A ata já nasceu com dados antigos." Para a gasolina, a projeção dos membros do Copom é de uma alta de 9,5% em 2004. Segundo os dados da Fipe, no entanto, este ano já acumula uma elevação de preços de 9,99% e, como o anúncio de hoje, chegará a 13,19%. O mesmo deve ocorrer com as estimativas para os preços administrados deste e do próximo ano. Na ata de hoje, os diretores do BC informaram que haviam revisado as expectativas para estes preços de 8,5% para 9% em 2004 e de 6,9% para 7,2% para o próximo ano. Ocorre que a gasolina, apesar de não ser uma tarifa pública cujo preço é uma atribuição do governo, ele faz o papel de monitoramento do produto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.