finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ata do Copom mostra economia sólida, diz Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que considerou "boa" a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada pelo Banco Central. Segundo ele, o documento sinaliza que a economia brasileira está sólida e que a inflação está caminhando num patamar baixo. "Fiquei satisfeito com a ata, porque ela vem corroborar com o que temos dito. Não podemos esquecer que um quadro econômico sólido está acontecendo na reta final de uma campanha eleitoral que sempre traz algum nervosismo", comentou o ministro. "A ata está dizendo que a inflação está sob controle, em 2006, em 2007 e a longo prazo. Esta é a boa notícia. Precisamos de uma inflação estável, de longo prazo, porque permite uma política monetária mais flexível, o que vai permitir um crescimento mais sólido", disse.Mantega destacou que o quadro econômico brasileiro é "a equação ideal" para qualquer que seja o candidato vitorioso nas eleições para presidente da República. Ele lembrou que o risco País encontra-se no seu nível mais baixo e que os juros continuam caindo. Mantega citou os juros futuros que, segundo ele, estão abaixo da taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 13,75% ao ano). "Nunca vi um cenário econômico tão favorável na reta final de uma eleição. Fico satisfeito que o Brasil conseguiu esse patamar de estabilidade econômica. Isso é a grande prova. São nos momentos de estresse e de nervosismo que se testa a estabilidade econômica de um país". Mantega não quis, entretanto, opinar sobre o tamanho do corte nas taxas de juros na próxima reunião do Copom. "O ministro da Fazenda não pode opinar sobre esse assunto. Nem mesmo o Copom sabe. Mas estou otimista em relação a isso", afirmou.

Agencia Estado,

26 de outubro de 2006 | 15h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.