finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Ata do Copom ressalta bom cenário econômico

O Banco Central (BC) divulgou hoje de manhã a Ata referente à última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) ocorrida nos dias 16 e 17 de janeiro, quando promoveu uma redução da taxa básica de juros da economia - Selic - de 0,5 ponto porcentual. A taxa, que estava em 15,75% ao ano caiu para 15,25% ao ano. Para essa decisão contribuíram os fatores positivos, tanto no Brasil quanto no mercado internacional.Apesar de ressaltar que há algumas "incertezas ainda não dissipadas", a avaliação feita pelos diretores do BC é de que o cenário externo neste início de ano apresenta-se "positivo". Segundo o documento, apesar dos cortes de produção anunciados pela Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), os preços do petróleo no mercado internacional devem permanecer sem grandes oscilações.É ressaltado, no entanto, que persistem dúvidas sobre qual a intensidade da desaceleração da economia dos Estados Unidos. Na avaliação do Copom, uma desaceleração mais forte prejudica o financiamento externo brasileiro e as exportações, o que, consequentemente, contribui negativamente com as perspectivas de crescimento da economia nacional este ano. Perspectiva de queda para o preço da gasalinaPelo documento, é estimado que o conjunto de preços administrados deva sofrer um reajuste médio de 6% este ano. Essa variação inclui os combustíveis e a elevação do salário mínimo de R$ 151,00 para R$ 180,00, a partir de abril. O BC acredita que o preço da gasolina no mercado doméstico poderá cair 6,5% para o consumidor, a partir do segundo trimestre deste ano. Isso representaria uma redução de 8,65% nos preços cobrados pelas refinarias. De acordo com a Ata, a expectativa de inflação do mercado para 2001 diminuiu ligeiramente. As projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), usado como referência para a meta de inflação, recuaram de 4,3% para 4,2% para 2001. O índice encontra-se em linha com as metas de inflação estabelecidas para este ano, de 4%.

Agencia Estado,

25 de janeiro de 2001 | 15h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.