Ata do Fed sinaliza abertura do BC por mais cortes no juro

Banco Central norte-americano prevê ano de recessão, com contração da atividade econômica no país

Regina Cardeal, da Agência Estado,

19 de novembro de 2008 | 17h19

As autoridades do Federal Reserve (Fed, o BC norte-americano) estão prontas para reduzirem as taxas de juro para níveis que não são vistos em meio século se o cenário econômico continuar a piorar, segundo revela a ata do último encontro de política monetária do banco central, realizado nos dias 28 e 29 de outubro.   Veja também: De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29 Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise    Os membros deixaram claro que os "desenvolvimentos econômicos que se revelam" podem exigir que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) "reduza mais sua meta para a taxa dos Fed Funds no futuro e revise a adequação de suas linhas de liquidez", segundo a ata.   Além disso, os membros do comitê no geral esperam que haja uma contração da economia no segundo trimestre de 2008 e no primeiro semestre de 2009, de acordo com a ata, que foi divulgada após o período usual de três semanas da data da reunião. E alguns membros esperam que a fraqueza econômica "possa persistir por algum tempo", de acordo com a ata.   As autoridades do Fed disseram que antecipavam que os indicadores econômicos mostrariam "significativa fraqueza na atividade econômica" e que um afrouxamento adicional da política pode bem ser necessário, segundo a ata. "Em qualquer evento, o comitê concordou que tomará quaisquer medidas que sejam necessárias para dar suporte a recuperação da economia", revela a ata.   "No geral, os membros descobriram que os riscos para a economia haviam crescido muito, deixando-os com pouca escolha a não ser cortar as taxas de juro para os níveis mais baixos em quatro anos. Como a crise de crédito piorou, o Fomc votou por unanimidade no dia 29 de outubro por uma meta mais baixa para a taxa dos Fed Funds, que remunera os empréstimos interbancários, em 0,50 ponto porcentual para 1%, seu nível mais baixo desde o período entre junho de 2003 e junho de 2004", revela a ata.   Os membros do Fed concordaram que um "afrouxamento significativo na política foi garantido nesta reunião à vista da marcada deterioração na perspectiva econômica e redução antecipada na pressão inflacionária", diz a ata. Eles também observaram que a crise de crédito se expandiu globalmente desde o encontro do Fomc de setembro, quando eles mantiveram o juro estável.   "A pressão da crise de crédito e bancária se intensificou e tomou um aspecto mais global ao longo do período entre reuniões", revela a ata. "Este desenvolvimento e a relacionada erosão da perspectiva econômica e redução na pressão inflacionária levou muitos bancos centrais a reduzirem suas políticas de taxas de juro, incluindo na ação coordenada internacionalmente anunciada no dia 8 de outubro", segundo a ata. Naquele dia, os membros do Fed concordaram com um corte conjunto sem precedentes com outros grandes bancos centrais, incluindo o Banco Central Europeu (BCE) e o Banco da Inglaterra (BoE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.