Jonathan Ernst/ Reuters
Jonathan Ernst/ Reuters

Ata do Fed: BC americano espera fazer pelo menos três grandes aumentos nas taxas de juros

Fed também discute a perspectiva de aumentar as taxas de juros além da chamada taxa neutra, que nem estimula nem enfraquece a economia

New York Times

25 de maio de 2022 | 18h11

Os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) concordaram em sua última reunião de política monetária que o banco central precisava agir “rapidamente” para reduzir o ritmo mais rápido da inflação em 40 anos. A maioria dos participantes espera fazer até três aumentos de taxa de juros de meio ponto percentual nos próximos meses, mostrou a ata da reunião de maio do Fed divulgada nesta quarta-feira, 25. 

Eles também discutiram a perspectiva de aumentar as taxas de juros além da chamada taxa neutra, que nem estimula nem enfraquece a economia, para desacelerar ainda mais o crescimento econômico à medida que o Fed tenta combater a inflação. 

Os diretores do Fed ressaltaram que as pressões inflacionárias eram evidentes em uma ampla gama de bens e serviços, causando dificuldades para os americanos, corroendo suas rendas e dificultando o planejamento das empresas para o futuro. 

Eles disseram que mais interrupções na cadeia de suprimentos por causa da invasão da Rússia à Ucrânia e dos lockdowns na China também ameaçam aumentar a inflação. 

A ata destacou a urgência da tarefa do Fed à frente, com alguns dirigentes enfatizando “que a inflação persistentemente alta aumentou o risco de que as expectativas de inflação de longo prazo possam se desprender”, tornando mais difícil para o banco central retornar a inflação à média anual de 2%, almejada pelo Fed.

As autoridades também debateram se as pressões sobre os preços podem estar começando a diminuir. Vários observaram que dados econômicos recentes sugerem que a inflação pode não estar mais piorando, embora tenham dito que era muito cedo para dizer se havia atingido o pico. 

Embora tenham dito que o mercado de trabalho e os gastos do consumidor e das empresas permaneceram fortes, eles também expressaram preocupação com os riscos “desfavoráveis” para a economia “e a probabilidade de um aumento prolongado nos preços de energia e commodities”. 

O Fed elevou as taxas em meio ponto percentual em maio, seu maior aumento desde 2000. Autoridades também detalharam um plano para encolher os US$ 9 trilhões em títulos em posse do banco central e sinalizaram que continuaria tornando o dinheiro mais caro para emprestar e gastar até que a inflação fique sob controle. 

Na reunião de maio, as autoridades reiteraram os planos de começar a encerrar em 1º de junho um programa de estímulo que está em vigor desde o início da pandemia. 

A taxa básica de juros do Fed agora está definida em uma faixa de 0,75% a 1%. Sua decisão de aumentar as taxas em meio ponto percentual em maio inicialmente impulsionou Wall Street, que estava preocupada com um aumento maior de 0,75, como algumas autoridades sugeriram. 

O presidente do Fed, Jerome Powell, em uma entrevista coletiva após a reunião de maio, descartou uma medida tão grande, dizendo que “não era algo que o comitê está considerando ativamente”. 

Os investidores tomaram conhecimento desse comentário e as ações subiram. Mas nas semanas seguintes, Powell deixou claro que as condições econômicas permanecem incertas e que o Fed pode precisar aumentar – ou diminuir – dependendo de como as coisas evoluem. 

“Se as coisas acontecerem melhor do que esperamos, estamos preparados para fazer menos”, disse Powell durante entrevista ao “Marketplace”, um programa de rádio distribuído pela American Public Media. “Se eles vierem pior do que o esperado, estamos preparados para fazer mais.”

Ainda assim, na reunião de maio, “a maioria dos participantes julgou que aumentos de 50 pontos base no intervalo da meta provavelmente seriam apropriados nas próximas reuniões”, de acordo com a ata, divulgada na quarta-feira. 

As autoridades do Fed deixaram claro que farão o que for preciso para domar a inflação, que atingiu 8,5% nos EUA no mês passado, o ritmo mais rápido em 12 meses desde 1981. 

A medida de inflação preferida do Fed, o índice de preços de gastos de consumo pessoal, é também subindo, embora não tão rapidamente, subindo 6,6% em março em relação ao ano anterior. 

Embora o Fed e muitos economistas esperassem que os preços diminuíssem à medida que a economia reabrisse e as cadeias de suprimentos voltassem a operações mais normais, isso não aconteceu. 

Em vez disso, os preços continuaram a subir, ampliando-se para categorias como alimentos, aluguel e gás. Os lockdowns na China para conter a covid-19 e a guerra na Ucrânia apenas exacerbaram os aumentos de preços de bens, alimentos e combustível

Mas à medida que as taxas aumentam, o Federal Reserve estará atento a sinais de que a trajetória da economia está começando a mudar. Dados divulgados na terça-feira mostraram que as vendas de imóveis novos caíram 16,6% em abril em relação ao mês anterior, um sinal de que os custos de empréstimos mais caros podem estar esfriando o mercado imobiliário. 

Pesquisas da S&P Global na terça-feira também apontaram para a desaceleração da atividade em empresas de serviços nos EUA e em outros lugares, e interrupções contínuas na cadeia de suprimentos em fábricas globais. 

Os dados divulgados após a reunião de maio do Fed mostraram que o ritmo anual de aumento dos preços está um pouco mais moderado em abril, mas as taxas de inflação ainda estavam desconfortavelmente altas.

A questão principal para o Fed é se será possível desacelerar a economia o suficiente para controlar a inflação sem estimular uma recessão, o que Powell e seus colegas reconheceram que provavelmente será um desafio. 

Embora as autoridades do Fed tenham dito que seu objetivo por enquanto é levar a política monetária de volta a uma postura “neutra”, eles podem precisar ir além disso se as condições se deteriorarem, pisando no freio da economia, em vez de apenas tirar o pé do acelerador. 

Os participantes “observaram que uma postura restritiva da política pode se tornar apropriada dependendo da evolução das perspectivas econômicas e dos riscos para as perspectivas”, de acordo com a ata. 

“Existem grandes eventos, eventos geopolíticos acontecendo em todo o mundo que vão desempenhar um papel muito importante na economia no próximo ano”, disse Powell na semana passada. “Então, a questão de podermos executar um pouso suave ou não, pode realmente depender de fatores que não controlamos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.