Emily Berl/The New York Times
Emily Berl/The New York Times

Ataque de hackers atrasa entrega de jornais nos EUA

Vírus afetou sistema de empresa responsável pela impressão de títulos como 'Los Angeles Times' e 'The New York Times'

Agências internacionais, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2018 | 05h00

Um ataque cibernético ao Tribune Publishing – responsável pela impressão e distribuição do Los Angeles Times em todo os Estados Unidos e do New York Times e do Wall Street Journal na Costa-Oeste americana – atrasou a entrega dos periódicos no último sábado. Até o momento, investigações feitas pelas companhias de mídia apontam que o ataque foi orquestrado por criminosos de fora dos EUA, mas ainda não há informações oficiais que confirmem essa hipótese.

A Tribune Publishing, que, além de fazer a impressão de grandes jornais, é dona de oito periódicos regionais, afirmou que detectou um malware – programa infectado que provoca danos ao sistema do computador – na sexta-feira. De acordo com as apurações iniciais da companhia, o vírus afetou diretamente os programas usados por jornalistas para escreverem as reportagens e o sistema usado para “enviar” as páginas do jornal para a impressão. Segundo a empresa, o conteúdo dos textos das notícias não foi alterado.

“Acreditamos que a intenção do ataque foi desabilitar a infraestrutura, mais especificamente os servidores, em vez de procurar roubar informações”, disse uma fonte com conhecimento do assunto à revista Newsweek, sob condição de anonimato.

Entre os títulos da Tribune Publishing estão Chicago Tribune, Sun e New York Daily New. Somente ontem os leitores do Los Angeles Times, Union-Tribune, Chicago Tribune, Baltimore Sun, Annapolis Capital-Gazette, Hartford Courant, New York Daily News, Orlando Sentinel e Fort Lauderdale Sun-Sentinel receberam seus exemplares de sábado. Já os assinantes do The New York Times e do Wall Street Journal tiveram suas edições em mãos no fim do sábado.

Início das investigações

Em seu site, o Los Angeles Times afirmou que investigações iniciais indicam que o ataque foi feito de fora dos EUA, mas ressaltou que a informação só será confirmada e detalhada após a polícia americana concluir as investigações.

Em nota divulgada aos clientes, o Tribune Publishing garantiu que informações sensíveis de assinantes e das empresas – como endereços de e-mail e números de cartões de crédito – não foram acessados pelos criminosos.

“Pedimos desculpas por qualquer inconveniente e agradecemos aos nossos leitores e parceiros de publicidade pela paciência enquanto investigamos a situação. As notícias e todos os nossos recursos estão disponíveis online.”

O Departamento de Segurança Interna, órgão do governo americano que investiga ataques terroristas, disse à Reuters que uma equipe está apurando o caso. “Estamos cientes dos relatos do incidente cibernético que afetou várias agências de notícias e estamos trabalhando com o governo e parceiros da indústria para entender melhor a situação”, disse, em nota, a porta-voz Katie Waldman.

O Departamento Federal de Investigações, responsável por casos de crimes cibernéticos e de terrorismo nos EUA, não quis comentar o assunto. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.